Tamanho da fonte:-A+A

O valor do Companheirismo

Sílvia Somenzi // segunda, 22/05/2006 09:06

Quantas vezes você parou para pensar no valor que há nas pessoas trabalham ao seu lado? 

Àquelas que estão no seu dia-a-dia e estão sempre prontas a lhe apoiar?

Talvez você não consiga tangibilizar o valor que elas tem para você e o seu trabalho, porque às vezes são apoios tão pequenos e freqüentes que se tornam até naturais, como se fosse parte da responsabilidade, mas na verdade não são.

Muitas vezes as pequenas coisas que as pessoas fazem, significam tudo para o seu dia ou simplesmente para você. É uma palavra, uma pergunta ou uma gentileza que nos faz esquecer que o dia está “pesado” ou até torna o nosso dia melhor.

Quando alguém fizer por você, valorize. Porque a pessoa faz por que quer o bem e não porque é obrigada.

O companheirismo é isso. Você saber que pode contar com a outra pessoa e ela com você. Sempre. Como se fosse natural e sem ser forçado.

Somente quando as pessoas se conhecem e se respeitam, é que elas sabem valorizar os pequenos gestos que demonstram que ser companheiro é fazer parte do dia-a-dia e o que final o resultado é para todos.

Se você escolher ver mais as pessoas que lhe cercam, certamente vai identificar os verdadeiros companheiros em muitos que você nem imagina que sejam.

E como é importante saber com quem você pode realmente contar e também deixar os outros saber que eles podem contar de verdade com você.

No mundo dos negócios, se você não estiver “jogando junto” não funciona.

Você precisa exercitar o companheirismo com os seus colegas e as pessoas com quem você convive porque é pelo seu exemplo que os outros vão entender o quanto é importante ser companheiro.

É ter maturidade demonstrar que você é companheiro, e que valoriza este posicionamento, porque as pessoas  vão fazer o mesmo por você. Você planta o que colhe, certo?!

Olhe para os outros e enxergue. Faça os outros enxergar através de você.

Seja companheiro com os seus e valorize quem o é consigo.

O resultado é você e os outros se enxergarem de verdade.



Sílvia Somenzi
Diretora Presidente da Soluzzione Expansão de Negócios, empresa de Consultoria, Gestão e Marketing de Relacionamento.
COMENTÁRIOS
marizete waldhelm

postado em: 11/05/2008 - 13:56

Na verdade eu nem pensava mais em amores romanticos.


Apreendi sendo Maiara o que esperar de relacionamentos.


Mas acho que essa condição humana é de uma fragilidade insuportável .


O tempo passa e de repende "não mais que de repente" comecei a desejar.


Desejar um amor cumplicidade."Mas de repente não mais que de repente...


De repente do riso fez-se o pranto


Silencioso e branco como a bruma


E das bocas unidas fez-se a espuma


E das mãos espalmadas fez-se o espanto.


De repente da calma fez-se o vento


Que dos olhos desfez a última chama


E da paixão fez-se o pressentimento


E do momento imóvel fez o drama.


De repente, não mais que de repente


Fez-se de triste o que se fez amante


E de sozinho o que se fez contente


Fez-se do amigo próximo o distante


Fez-se da vida uma aventura errante


De repente, não mais que de repente." Moraes

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.