Baguete
InícioNotícias> Hospital Unimed Recife III recebe EMRAM 7

Tamanho da fonte:-A+A

HIMSS

Hospital Unimed Recife III recebe EMRAM 7

Júlia Merker
// sexta, 02/12/2016 11:37

O Hospital Unimed Recife III é o primeiro da América Latina a conquistar o Electronic Medical Record Adoption Model (EMRAM) nível 7, da Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS) Analytics, maior associação de informática em saúde no mundo. 

O Unimed Recife III é o primeiro hospital da América Latina a conquistar o EMRAM nível 7. Foto: Divulgação.

Apenas 9 hospitais de fora dos Estados Unidos contam com o selo. A certificação aponta que a instituição de saúde alcançou o mais alto nível de tecnologia da informação clínica e mecanismos de segurança para fornecer cuidados médicos.

Como uma acreditação hospitalar, o EMRAM define requisitos mínimos que um hospital deve atender relacionados à maturidade de implementação do prontuário eletrônico. O processo é composto por oito estágios evolutivos que indicam como as instituições de saúde devem avançar na adoção de ferramentas de TI e alcançar o estágio de hospital digital. 

Para alcançar a certificação, o Hospital Unimed Recife III utiliza as soluções MV desde a sua inauguração, em 2011. 

“Logo depois que atingimos o nível 6 em 2014, começamos as preparações para o nível 7. Foram dois anos ajustando e implantado tecnologias para automatização completa de processos e, principalmente, propondo mudanças estruturais para aprimorar o atendimento ao paciente”, diz Fernando Cruz, diretor médico do hospital.

Entre as principais ações realizadas pela MV no Hospital Unimed Recife III para alcançar o estágio de hospital digital preconizado pela HIMSS estão a inclusão de novos recursos ao Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) e a integração máxima em todos os departamentos do hospital para armazenamento de informações, possibilitando o uso por soluções de Business Intelligence (BI). 

O hospital aprimorou o circuito fechado de administração de medicamentos a partir da adoção da dupla checagem à beira-leito. Com isso, informações sobre tudo que é infundido no paciente, como medicamentos, sangue e nutrição parenteral, são administradas com segurança e automaticamente registradas no prontuário eletrônico. 

Além disso, a inclusão de novos protocolos clínico-assistenciais no sistema de gestão da MV permite um melhor direcionamento das condutas médicas. 

“Os alertas emitidos automaticamente não só auxiliam as equipes no atendimento ao paciente, como ainda possibilitam uma gestão mais efetiva do cumprimento ou não dos protocolos e suas justificativas”, relata Cruz.

Na área de infraestrutura, um data center backup com comunicação e replicação de dados foi o procedimento de disaster recovery primordial para manter a unidade de saúde 100% ativa e segura.

“Se ambos os sistemas caírem, também temos um prontuário off-line e máquinas de crise que entram em ação para fornecer dados já armazenados e permitir que novas informações sejam inseridas no histórico de atendimento ao paciente presente no sistema da MV”, explica Fernando Cruz.              

No total, 10 hospitais brasileiros estão no nível 6 do HIMSS: Sírio Libanês, Unimed Volta Redonda, São Camilo, Hospital São José, Hospital Santo Antônio, Hospital Márcio Cunha,  Samaritano, Santa Paula, Alemão Oswaldo Cruz e Hospital do Idoso Zilda Arns.

Júlia Merker