Baguete
InícioNotícias> MobLee recebe R$ 3 milhões da Bzplan

Tamanho da fonte:-A+A

APORTE

MobLee recebe R$ 3 milhões da Bzplan

Júlia Merker
// terça, 18/04/2017 14:46

A MobLee acaba de receber um aporte de R$ 3 milhões da gestora de fundos de investimento Bzplan.

André Rodrigues e Glauco Neves, sócios da MobLee. Foto: Divulgação.

A plataforma da MobLee permite que organizadores criem apps para cada evento com o objetivo de passar informações para os participantes.

No app é possível incluir seções como timeline de notícias, lista de expositores e atrações, programação e palestrantes, planta do evento, perguntas & respostas, entre outras.

A empresa, fundada em 2011 em Florianópolis, tem na carteira clientes como a Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP), Endeavor Brasil, BM&FBovespa e Sebrae. 

Com 16 funcionários, a MobLee registrou um crescimento de 121% no número de eventos que utilizou sua plataforma em 2016. 

Para o CEO, André Rodrigues, o aporte permitirá que a empresa invista no crescimento do time, na área de customer success e em processos de marketing e vendas. 

“Já estávamos sentindo há algum tempo que estava na hora de acelerar. Só chegamos até aqui graças ao foco em produto, pesquisa e desenvolvimento. Então, não poderíamos deixar de fortalecer também as áreas de design e engenharia, para agregar mais valor aos clientes atuais e potenciais negócios”, explica Rodrigues. 

De acordo com Marcelo Wolowski, sócio da Bzplan, a startup está caminhando para tornar-se também uma geradora de oportunidades no marketing offline. 

“Nós enxergamos que o mercado dos investimentos no marketing offline vem decrescendo porque não é possível saber qual é o seu retorno real. A MobLee pretende mensurar esses investimentos e o retorno de cada um deles”, detalha.

A Bzplan tem sede em Florianópolis e foi criada em 2002. No ano passado, teve como destaque a operação de saída de uma das empresas em que investiu: a Axado, startup líder nacional em gestão de fretes, foi vendida ao Mercado Livre por R$ 26 milhões, o que rendeu um retorno de 426% ao fundo.

Júlia Merker