InícioNotícias> CPFL: Infor em usinas do Sul e da Paraíba

Tamanho da fonte:-A+A

GESTÃO DE MANUTENÇÃO

CPFL: Infor em usinas do Sul e da Paraíba

Gláucia Civa // sexta, 24/05/2013 13:04

A CPFL Geração contratou a Infor EAM, solução de gestão de operação e manutenção da Infor, para cinco usinas de seu grupo, quatro delas no Sul e uma na Paraíba.

Marcelo Kurokawa. Foto: divulgação.

Uma das operações é a Ceran – Companhia Energética Rio das Antas, responsável pela construção e operação do Complexo Energético Rio das Antas, situado na região Nordeste do Rio Grande do Sul.

O complexo é formado pelas usinas hidrelétricas Monte Claro, Castro Alves e 14 de Julho e tem como investidores a CPFL (65 %), a CEEE (30 %) e a Desenvix (5 %).

Outra usina que usará o Infor é a Hidrelétrica Barra Grande (Baesa), com instalações no rio Pelotas, entre os municípios de Anita Garibaldi, em Santa Catarina, e Pinhal da Serra, Rio Grande do Sul.

Também entram no projeto a usina catarinense Enercan, de Campos Novos, e Foz do Chapecó Energia, instalada no Rio Uruguai, entre os municípios de Águas de Chapecó, em Santa Catarina, e Alpestre, no Rio Grande do Sul.
Completa o grupo a Centrais Elétricas da Paraíba – EPASA, localizada em João Pessoa.

Conforme Marcelo Yukio Kurokawa, gerente de Tecnologia da Geração da CPFL, o objetivo da adoção do sistema da Infor é padronizar as atividades e processos de operação e manutenção das cinco unidades.

O Infor EAM é um software de gestão de ativos empresariais que permite o gerenciamento de fábricas, equipamentos e instalações, com recursos de cronograma de manutenção preventiva para alocação de recursos em áreas de melhor desempenho, uptime, para descoberta de possibilidade de falhas em ativos da empresa, inventário e planejamento estratégico, entre outros.

Conforme a Infor, o software possibilita até 50% de redução de overtime de manutenção, mão-de-obra e custos de contrato, 20% de economia com materiais de manutenção, 20% com gastos de energia e 50% com custos de processos de compras, corte de até 20% em downtime de produção, 50% de aumento em recuperação de custos de garantia.

 “A padronização dos processos também vai intensificar a aproximação entre as usinas e delas com a CPFL. Com isso, buscamos o aumento da eficiência operacional”, afirma Kurokawa.

Ele explica que a solução foi definida após um processo de seleção e avaliação técnica e comercial. O valor investido não é revelado.

Maior grupo privado do setor elétrico brasileiro, a CPFL Energia atua nos segmentos de distribuição, geração, comercialização de energia e serviços.

A CPFL Energia registrou lucro líquido de 443 milhões de reais no quarto trimestre de 2011, 22,6 por cento acima do verificado no mesmo período do ano anterior.

O grupo teve lucro líquido de R$ 1,58 bilhão em 2011 (último exercício divulgado), expansão de 1,4% sobre 2010.

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.