O maior desafio das operadoras em relação aos serviços de conexão Wi-Fi é oferecer a mesma simplicidade, integração e segurança da experiência atual de celulares 3G.

A expansão dos serviços Wi-Fi, porém, deve atrair mais clientes, oferecer novas oportunidades de receita para operadoras e tornar as redes de celulares bem menos congestionadas e não sujeitas a falhas de desempenho como vimos durante as Olimpíadas deste ano.

Hoje, não existe um roaming consistente entre Wi-Fi e redes celulares. O usuário final tem que percorrer vários passos até conseguir acesso à Internet e é difícil a conexão aos sites por meio dos telefones.

No futuro, com o advento do Hotspot 2.0, os usuários não terão de fazer nada para encontrar uma rede Wi-Fi. As políticas serão passadas para os telefones e as operadoras poderão reduzir a rotatividade de assinantes, já que os usuários têm se cansado do desempenho falho de seus celulares.

A indústria se reuniu em torno de um plano chamado Hotspot 2.0 (Wi-Fi Passpoint™ CERTIFICADO). Com essa tecnologia, os pontos de acesso devem informar que estão disponíveis automaticamente e o smartphone se conectará com pontos de acesso compatíveis.

Essa iniciativa da Wi-Fi Alliance aproveita-se do 802.11u e adiciona extensões. Além disso, a iniciativa cobre os dispositivos SIM e sem SIM (laptops, por exemplo) e utiliza o 802.1x como o principal protocolo de autenticação.

O suporte para 802.11u e a tecnologia testada pelo programa de certificação Passpoint da Wi-Fi Alliance estarão disponíveis como uma atualização gratuita de software nos pontos de acesso Ruckus ZoneFlex™ até o fim deste ano.

O Hotspot 2.0 oferece a possibilidade futura de uma grande variedade de benefícios para operadoras que buscam otimizar sua infraestrutura de rede móvel como:

· Descarregamento seletivo do tráfego IP que não precisa trafegar pelas redes core

· Publicidade e monetização de serviço

· Melhor experiência do usuário final em pontos de acesso Wi-Fi

- Seleção de rede, autenticação e roaming automatizados por dispositivos

- Opções flexíveis de autenticação para suportar vários dispositivos e acordos de roaming

- Provisionamento de conta em banda

- Anúncios do tipo de rede (privada, pública gratuita ou paga)

- Anúncios da capacidade da rede por meio de duas camadas novas de protocolos

Com tantos hotspots é necessário simplificar a experiência do usuário e garantir um sistema de roaming fácil entre redes Wi-Fi para os provedores de serviços que buscam reduzir a rotatividade de assinantes, oferecer acesso mais rápido aos seus serviços em mais lugares e acrescentar capacidade e cobertura sem fio o mais rápido possível.

O 802.11u e o Hotspot 2.0 estão chegando ao mercado em um momento em que a demanda crescente por conectividade sem fio está motivando a proliferação de pontos de acesso Wi-Fi.

De acordo com o novo relatório do In-Stat Research - “Wi-Fi Hotspots: the Mobile Operator’s 3G Offload Alternative”, o número de hotspots no mundo inteiro deve aumentar para mais de 1,2 milhão em 2015 comparado com 421 mil em 2010.  O uso desses hotspots também deve crescer de 4 bilhões de conexões em 2010 para 120 bilhões em 2015.

O Hotspot 2.0 funciona assim:

1. Um ponto de acesso 802.11u sinaliza suporte HS2.0

2. O dispositivo do usuário final avalia o suporte HS2.0

3. O dispositivo seleciona um ponto de acesso e realiza a solicitação ANQP para determinar quais provedores são suportados, as capacidades do ponto de acesso, etc.

4. O ponto de acesso responde à solicitação ANQP com as informações desejadas

5. O dispositivo compara as informações de perfil provisionadas com os dados HS2.0 do ponto de acesso e se associa com o melhor BSSI (Basic Service Set Identifier)

A Ruckus Wireless, uma das primeiras fabricantes a integrar o 802.11u dentro dos pontos de acesso Smart Wi-Fi, completou com sucesso os testes de interoperabilidade com várias operadoras e fabricantes do mundo inteiro.

Com as capacidades adicionais do Hotspot 2.0, os provedores de serviço devem ser capazes de transmitir automaticamente novas políticas de seleção de redes para dispositivos de clientes.

Quando um provedor cria uma nova parceria Wi-Fi, o dispositivo do assinante saberá como selecionar os novos pontos de acesso que serão disponibilizados por meio de sua assinatura existente.

Com a adoção do Hotspot 2.0 será cada vez mais fácil conectar-se com a Internet e nós nunca mais veremos o mesmo tipo de falha visto nas redes de celular durante as Olimpíadas de 2012.

John Lombardi, diretor de vendas para operadoras na América Latina e Caribe da Ruckus Wireless