Em paralelo à evolução dos novos tratamentos de saúde que vem surgindo em todo o mundo, proporcionando mais eficiência nos serviços prestados aos pacientes, a Tecnologia da Informação voltada a essa área caminha com a mesma velocidade.

Cada vez mais inovadora, a TI passou a transformar a forma com que o paciente é tratado, reduzindo os erros médicos e proporcionando um atendimento mais rápido nas emergências.

Em anos acompanhando este mercado de perto, tenho percebido uma mudança cultural. Hoje, as instituições ligadas a esse setor já têm a consciência de que um bom tratamento de saúde não se restringe apenas a bons médicos e hospitais.

É preciso ir além e investir em conectividade, acesso rápido e on line às informações do paciente.

Não podemos associar a TI para saúde simplesmente com o armazenamento eletrônico de registros de saúde, na verdade, ela é muito mais transformativa e proporciona dados analíticos e inovações de processos que já estão revolucionando a maneira como as pessoas recebem e gerenciam seus cuidados em comunidades por todo o país.

Um relatório da consultoria Booz Allen Hamilton aponta que a TI para saúde tem um grande potencial para mudar e aprimorar o atendimento ao paciente.

Hoje, por meio de tecnologias móveis, médicos podem receber informações em tempo real sobre as condições dos pacientes. Por meio desses recursos, é possível traçar um diagnóstico antes do paciente chegar ao hospital, promovendo um tratamento muito mais ágil.

As tecnologias de monitoramento remoto e vídeo conferência podem, por exemplo, permitir aos profissionais monitorarem os dados vitais do paciente e discutir suas condições sem ter a necessidade da presença do paciente e em qualquer lugar com acesso à internet.

Além dos benefícios já citados, é importante ressaltar o quanto a tecnologia para saúde impacta diretamente a vida do paciente.

Um exemplo claro disso é o uso da TI na área de emergência, onde segundos podem fazer a diferença para a vida ou a morte de uma pessoa.

As ferramentas de TI possibilitam que os profissionais que prestam os primeiros socorros tenham acesso a informações vitais como possíveis alergias e contra indicações.

Outra vantagem é a autonomia que o paciente e sua família ganham para planejar o tratamento. Já que eles têm acesso às informações médicas, é possível tomar decisões em relação ao melhor tratamento, mesmo que o paciente não esteja em condições de opinar, como um caso de coma, por exemplo.

A área de pesquisa médica também pode tirar proveito da tecnologia voltada à saúde. Como as informações dos pacientes são digitalizadas, pesquisadores podem analisar uma grande quantidade de dados, o que facilita a rápida introdução de novas terapias, além de melhorar as análises da efetividade de medicações e tratamentos.

A indústria de saúde também sai ganhando, porque por meio do aumento do uso de tecnologias móveis e ferramentas de redes sociais, a TI para saúde oferece à indústria de saúde novas maneiras para entender e administrar os cuidados aos pacientes.

Todas essas vantagens permitem que a saúde seja trabalhada de forma preventiva, pois ao ter acesso ao Prontuário Eletrônico do paciente, com todo o seu histórico de doenças, medicamentos usados, alergias, etc., o corpo clínico tem em mãos informações que serão vitais para a introdução de programas de prevenção e de redução de custos, evitando hospitalizações desnecessárias.

Projetos tais como o ESF (Estratégia de Saúde da Família) que levam a saúde para mais perto da família, melhorando a qualidade de vida dos brasileiros com um atendimento prestado na unidade básica de saúde ou no domicílio, também têm um papel fundamental na prevenção de doenças já que facilita a identificação e o atendimento aos problemas de saúde da comunidade.

O ESF deve ser a porta de entrada para o início de um processo de informações conectadas de saúde.

O Brasil tem amadurecido rapidamente em relação à importância do uso de tecnologias inovadoras para melhorar os serviços de saúde. Alguns grandes projetos já estão em andamento na área de Governo, no Distrito Federal e também no Rio Grande do Sul.

Tenho certeza que o país ampliará cada vez mais seus investimentos nessa área, pois os benefícios envolvem a todos, não só o cidadão, como também as instituições de saúde.

*Fernando Vogt é diretor de vendas para a área de saúde da InterSystems no Brasil.