App aposta no compartilhamento de táxis. Foto: divulgação.

O lançamento de um app para solicitação de táxis não é mais nenhuma novidade. Mesmo assim, a startup Meia Bandeirada quer se destacar no mercado, visando o mercado empresarial e o compartilhamento de corridas para atrair o público.

De olho nas empresas com vários escritórios na mesma cidade e que tem gastos com táxis para a locomoção de seus funcionários, a startup lançou neste mês o seu app em versões web e para Android - versões para iOS e Blackberry devem sair em breve.

Conforme reporta o Mobile Time, o serviço é voltado para o público corporativo, com a ideia de estimular o compartilhamento de táxis entre funcionários da mesma empresa ou até de empresas diferentes, se ambas concordarem.

Ao chamar um táxi, via web ou através de um app no smartphone, o usuário precisará informar o destino.

A partir daí, o sistema cruza os dados com aqueles de outras chamadas, à procura de possíveis compartilhamentos de corridas, levando em consideração fatores como tempo e valor que pode ser economizado.

"Aconselhamos que corridas sejam compartilhadas sempre que isso gerar uma economia acima de 30%", diz André Insardi, um dos sócios-fundadores do Meia Bandeirada.

Insardi deixa claro que uma das preocupações na formatação do app é criar compartilhamento que beneficiem ambas as partes, com compartihamento entre até três passageiros.

Além disso, o usuário pode recusar um pedido de compartilhamento ou informar que já tem companhia no táxi.

"A duração da corrida não pode aumentar mais que cinco ou seis minutos por causa do compartilhamento", explica o executivo.

Segundo o sócio, o serviço funcionará inicialmente na capital paulista, mas outros contratos estão em negociação.

O aplicativo já está em funcionamento em cooperativas de táxis que atendem a empresas que adotam a solução, o que facilita a implantação do sistema, eliminando os pagamentos no ato da corrida.

O pagamento das corridas pelo passageiro é feito via boleto eletrônico, por dentro do aplicativo. Pelo uso do app, é cobrada da cooperativa uma taxa de R$ 1 por corrida.

As empresas também pagam uma taxa pelo serviço, que varia de acordo com o contrato de adesão à solução, que conta também com um sistema de gestão das corridas, com relatórios por viagem, funcionários, tempo de deslocamento e outras informações.

APPS DEMAIS?

Com o sucesso de aplicações como o Resolve Aí, muitas startups estão no nicho de localização de taxis, através de sites e aplicativos para smartphone.

Nos últimos seis meses, cerca de cinco novos apps foram anunciados no mercado, já de olho numa temporada rentável para o meio, com a chegada de eventos como a Copa do Mundo e Jogos Olímpicos de 2016.

Empresas como a carioca Easy Taxi, que recentemente levantou R$ 10 milhões da Rocket Internet e a sergipana Taxiplon estão chegando ao mercado com suas soluções, de olho no crescente base de usuários de smartphones.

Em janeiro, a SaferTaxi também apresentou a sua solução, disponível em São Paulo e que conta também com facilidades de pagamento eletrônico via app.

Segundo dados do relatório Brazil Mobile Observatory, elaborado pela GSMA, o Brasil é o quarto maior mercado móvel do mundo, com mais de 260 milhões de dispositivos ativos.

Em Porto Alegre, a startup Ayza Tecnologia está testando em cerca de 100 taxis o Ayza Taxi Web, ferramenta para os usuários de taxi, assim como uma ferramenta de controle de corridas e movimento de passageiros para os frotistas.