Llamas e trajes andinos têm cada vez mais a companhia da Dígitro entre os itens de Lima. Foto: Flickr.com/maradentro

A catarinense Dígitro reforçou sua operação no Peru, aberta em janeiro do ano passado, com a instalação de um laboratório de desenvolvimento e nacionalização de tecnologias em Lima.

O centro conta com 14 técnicos peruanos e deve encerrar 2013 com mais de 30, segundo projeta Rodrigo Rolón, gerente geral da Dígitro Peru.

O fortalecimento das ações no país latino também passa pelos canais.

Até agora, a companhia já tem dez acordos de parceria em diversas cidades do Peru, e planeja chegar a 15 alianças ao longo deste ano.

“O rol de integradores atuais já representa uma importante parcela das empresas locais, com capacidade para projetos estratégicos nos segmentos de telecomunicações e redes empresariais convergentes”, afirma Rolón.

O investimento na capital peruana faz parte de um processo maior de internacionalização da Dígitro, que prevê a abertura de filiais em vários outros países – Colômbia e Moçambique também entram no mapa.

Com a expansão, meta da empresa é triplicar a participação das vendas externas em um período de dois anos com atuação local através de escritórios próprios.

Atualmente, a Dígitro já atende empresas em toda a América Latina, entre elas,  IPAE, Petroperú e Grupo Petrolero Sulamericano.

A empresa também possui outros parceiros comerciais que atuam como distribuidores das soluções.

Além do Brasil, a Dígitro está presente em 11 países da América Latina e África.

A companhia fechou o ano de 2011 com faturamento de R$ 115 milhões em 2011 tendo como principal mercado a área de telecomunicações.

De lá para cá não foram divulgados resultados financeiros.