O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 2017 subiu 1%. Foto: Pexels.

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 2017 subiu 1% e fechou em R$ 6,6 trilhões. 

Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram um pequeno crescimento na economia do país após dois anos de recessão. 

Em 2015 e 2016, o resultado foi de quedas consecutivas de 3,5%.

Três atividades tiveram maior impacto no resultado da economia: agropecuária (alta de 13%), serviços (recuperação de 0,3%) e indústria (que ficou estável). 

“Apesar do peso relativo menor, a safra recorde [de milho e soja] representou a principal contribuição para o resultado positivo do PIB no ano”, explica Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE.

O consumo das famílias também influenciou na recuperação, com alta de 1% em relação ao ano anterior (quando havia caído 4,3%).

Na indústria, o destaque é a alta na atividade de Indústrias Extrativas (4,3%), enquanto houve queda na Construção (-5,0%). Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e Indústria de transformação avançaram, respectivamente, 0,9% e 1,7%.

Entre as atividades que compõem os Serviços, Comércio cresceu 1,8%, seguido por Atividades imobiliárias (1,1%), Transporte, armazenagem e correio (0,9%) e Outras atividades de serviços (0,4%). 

Os principais resultados negativos foram Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (-1,3%), Informação e comunicação (-1,1%) e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-0,6%).