João Fossa. Foto: divulgação.

A Under Protection, consultoria paranaense especializada em soluções de segurança, está iniciando suas operações no Rio Grande do Sul.

Para comandar a operação gaúcha, a empresa contratou João Fossa, executivo com mais de vinte anos de experiência no mercado de TI. Antes de assumir o cargo na Under Protection, Fossa era gerente de operações da Symantec na região Sul.

Fundada em Curitiba em 2001, a empresa se apresenta como uma consultoria de análise de riscos em TI. Segundo Alberto Silva, presidente e um dos sócios-fundadores, o objetivo da companhia é ter uma abordagem diferente de uma revenda de produtos de segurança.

"Nosso trabalho envolve um conhecimento maior da operação e das necessidades de segurança de nossos clientes. Não queremos simplesmente vender os produtos das marcas que representamos", afirmou o executivo.

Embora a companhia não divulgue valores de faturamento em 2014, Silva destacou que a empresa teve um crescimento de 30% em receita no ano. Com a expansão para o mercado gaúcho, a expectativa é que os negócios tenham um acréscimo de 20 a 25%.

A chegada ao Rio Grande do Sul foi iniciada no ano passado, quando a companhia fechou um acordo de fornecimentos de soluções de data center para a GetNet, operadora de pagamentos ligada ao Santander. O porte do contrato com a GetNet foi o sinal para a empresa escalar sua estrutura nos pampas.

"Estamos investindo para aumentar nossa base nos estados da região Sul, assim como no Sudeste. Esperamos fechar 2015 com um faturamento de R$ 14 milhões", revela Silva.

No portfólio de produtos da Under Protection estão marcas maiores como IBM e Fortinet, assim como nomes menos conhecidos, porém renomados no segmento de segurança, como Varonis e a israelense Cyberark.

Para Fossa, mais do que vender soluções, a empresa quer se destacar pela entrega e qualidade do serviço, indo além da venda dos produtos "na caixinha".

"No mercado de segurança, ainda se fala do produto para controlar os riscos das empresas, sendo que muitas vezes nem se sabe quais são estes riscos. Nossa proposta é de avaliar primeiro os riscos para depois definir uma estratégia e, aí sim, vender o produto adequado", explica Fossa.

De acordo com Silva, o plano para a operação gaúcha é estabelecer uma estrutura comercial e técnica da companhia até o final do ano, acompanhando o crescimento orgânico a partir da assinatura de novos contratos.

Nacionalmente, a empresa tem cerca de cem clientes. Na lista de marcas que tem contratos ativos com a Under Protection estão empresas privadas como O Boticário e públicas como Copel e Celepar.

"Para o mercado gaúcho, temos algumas verticais de maior potencial, como financeiro e público, mas estamos avaliando oportunidades como um todo", finaliza Fossa.