O Cara da Sunga, um ícone da capital gaúcha. Foto: Blog do Prévidi.

O Cara da Sunga, um homem conhecido por correr há anos só de sunga por áreas centrais de Porto Alegre em qualquer circunstância meterológica, é um profissional de TI.

Eduardo André Viamonte, 48 anos, administra uma escola de inglês e trabalha na informática do Banrisul, segundo revela uma matéria sobre personagens folclóricos da capital gaúcha da Zero Hora deste sábado, 30.

A cena é tão corriqueira que o músico Carlinhos Carneiro, cantor da conhecida banda gaúcha Bidê ou Balde, compôs uma canção descrevendo um sonho delirante em que “O Cara da Sunga aparece vestido e sem correr”.

Na matéria da ZH, Viamonte explica que a decisão de trajar apenas sunga, tênis e chapéu para as suas corridas diárias de 20 quilômetros foi gradual.

A sunga boxer substituiu o calção porque o nylon provocava assaduras nas coxas. A camiseta foi dispensada porque correr com a roupa molhada é mais perigoso para ter uma gripe. 

A toca e as luvas usadas no inverno também tem uma explicação, uma vez que 40% da temperatura do corpo se perde pelas extremidades. 

“Às vezes está aquele friozão, o pessoal pede para me tocar e eu estou quentinho. O truque é relaxar no frio, em vez de se contrair”, explica Viamonte.

Viamonte lida bem com a fama. Segundo a ZH, ele dá palestras sobre corrida e se tornou mestre de cerimônias de eventos como o Casa Expandida, da Casa de Cultura Mario Quintana.

“Vivo quase um sonho infantil. Moro em uma cidade em que todo mundo é meu amigo”, resume Viamonte.