por Rimini
INVESTIMENTOS

Rimini: fazer upgrade no ERP não compensa

01/04/2021 08:13

Para CEO da Rimini, clientes SAP tem que evitar ao máximo a ida para o S/4. Ou nem ir.

Seth Ravin, CEO da Rimini Street.

Tamanho da fonte: -A+A

Os clientes SAP deveriam postergar ao máximo a migração para o S/4, a última geração do sistema de gestão da multinacional alemã, para só então decidir entre fazer o upgrade -  ou partir para uma visão totalmente diferente de arquitetura de software empresarial.

A opinião é de Seth Ravin, CEO da Rimini Street, a maior empresa no mercado de suporte terceirizado de sistemas, atualmente com 120 clientes no Brasil, incluindo empresas usuárias de SAP, Oracle e Salesforce.

A visão de Ravin é que os clientes atuais do ECC devem usar o ERP no mínimo até 2030, quando se encerra o suporte, para então avaliar uma migração para o S/4, ou, dependendo, para uma nova arquitetura baseada em softwares especialistas integrados, o chamado “best of breed”, e não um grande sistema de um único fornecedor.

“Um upgrade de ERP simplesmente não é um investimento a partir do qual as empresas podem obter vantagem competitiva”, afirma Ravin. “As empresas tem que fazer uma avaliação fria sobre retorno do dinheiro que gastam, ainda mais no momento atual”, agrega o CEO da Rimini.

Para Ravin, mesmo a empresa que ao final optar pela migração para o novo sistema no final do prazo de suporte ao ECC  pode se beneficiar com custos menores, devido ao aumento de mão de obra capacitada em S/4. 

O negócio da Rimini é justamente facilitar essa decisão, ao permitir que o cliente deixe de fazer upgrades no seu ERP, ao assumir o suporte e os ajustes necessários na área tributária, normalmente contratados do provedor do sistema, e manter funcionando o que já funciona bem, sem fazer upgrades. Na média, os custos caem 50%.

“Nós conseguimos reduzir o custo com a manutenção dos sistemas, liberando orçamento da TI para investimento em tecnologias que trazem vantagem competitiva e não sistemas de contabilidade”, aponta Ravin.

De acordo com a Rimini, um departamento de TI típico gasta 90% do seu orçamento com a manutenção de sistemas já existentes. A empresa promete reduzir esse valor para 60%, liberando verbas para iniciativas em áreas mais quentes como analytics, inteligência artificial ou segurança.

“Muitas vezes, são os próprios vendedores da SAP ou da Oracle que sugerem ao cliente adotar o nosso suporte terceirizado, visando liberar orçamento para novas linhas de produtos na nuvem”, revela Ravin.

A Rimini é conhecida pelo suporte terceirizado, mas vem agregando novas camadas ao serviço, como, por exemplo, os chamados gerenciamento de aplicações de software (AMS, na sigla em inglês) desde 2019.

Com a oferta de AMS, a Rimini passa também a administrar alguns dos sistemas do clientes, além de fazer o suporte de problemas e atualizações tributárias. A proposta é que, ao fazer as duas coisas, a empresa pode derrubar ainda mais os custos dos clientes com a operação de sistemas.

Isso porque a Rimini não baseia seu modelo de suporte no número no número de horas usadas em resolver incidentes. Esse atendimento é ilimitado. A empresa diz que, na média, seus clientes de AMS têm uma queda de 32% nos casos atendidos.

“A única maneira da Rimini ser lucrativa é resolver o maior número de problemas possíveis na raíz e não ficar sempre atendendo os mesmos problemas”, explica Ravin. “Nós não somos uma empresa de sistemas, nós somos uma empresa de suporte”, agrega o CEO. 

Veja também

COMPRINHAS
Iguatemi faz AMS com Rimini

Empresa de shopping centers já era cliente de suporte independente desde 2016.

BOLSO
Oracle: cliente chora sobre preço

Pesquisa da Rimini indica que para 97% o custo é o “principal desafio” do banco de dados.

OPÇÃO
Conheça o suporte Rimini para o Oracle Database

Sua empresa está obtendo o obtendo o retorno esperado com o suporte ao banco de dados?

CARREIRA
Mariotto assume cargo global na Rimini

Ex-SAP vai cuidar do atendimento dos clientes de suporte SAP na empresa.

CONTRATOS
Rimini coloca pezinho no governo

Multinacional está oferecendo suporte terceirizado no TST, Câmara de Deputados e Apex.

DEIXA COMIGO
Rimini Street: suporte Oracle na Hyundai-Kia Motors

Montadora amplia contrato de suporte terceirizado para toda a operação mundial.

SUPORTE
Rimini assume S/4 na gigante mexicana Nadro

É o primeiro contrato de suporte na América Latina para a última versão do ERP da SAP.

ECONOMIA
RNA: suporte do SAP ECC é com a Rimini

Fabricante de molas quer cortar custos e optou por terceirizar o suporte do ERP.

OPÇÕES
Rimini Street oferece suporte para S/4 Hana

Clientes da última versão do ERP da SAP agora também podem ter suporte terceirizado.

SAP
Rimini quer pedaço do mercado de AMS

Companhia passou a oferecer suporte de nível 2 e a atender aplicações como BI e GRC.

UPGRADE
ISG: SAP S/4 Hana anda devagar no Brasil

Clientes grandes acham que a SAP vai ampliar o prazo de suporte para as versões antigas.

NA MESMA
Rimini: cliente SAP não se convenceu com Hana

Apenas um terço dos pesquisados estão decididos a migrar, mesmo número de 2017.

MANUTENÇÃO
Ferroeste migra suporte SAP para Rimini

Custos do sistema da SAP chegaram a 22% do total de contratos de licença.

SUPORTE
Rimini fatura US$ 252,8 mi, alta de 19%

Modelo de negócio da empresa é ser uma pedra no sapato da SAP e Oracle.