O Parque Tecnológico São José dos Campos firmou um acordo com a Cisco. Foto: Divulgação.

A Cisco e o Parque Tecnológico São José dos Campos firmaram um acordo que prevê a criação de um modelo de Smart Campus. A empresa oferecerá um portfólio de serviços de conectividade, vídeo conferência e ambiente de colaboração em nuvem. 

O projeto inclui ainda soluções de segurança e vídeo vigilância, além da automação de iluminação, energia elétrica e estacionamentos.

Segundo a empresa, a cooperação deve representar um diferencial competitivo para o parque, provendo melhores condições de eficiência operacional, sinergia e produtividade para as empresas e instituições residentes e associadas.

O projeto será desenvolvido em quatro etapas. A primeira etapa tratará do alinhamento da visão estratégica sobre o uso de tecnologias no parque. 

O próximo passo incluirá uma análise técnica da base legada, comparada com as competências desejadas e avaliando também as possibilidades do uso de cloud computing. 

Já para a terceira etapa é previsto um estudo de engenharia, apontando as soluções necessárias para atender as demandas levantadas pela análise técnica. Por fim, será entregue um roadmap para a implantação, com a arquitetura proposta adequada às realidades de prazos e recursos de orçamento disponíveis.

Dentre as tecnologias previstas para o portfólio de serviços de Smart Campus, as tecnologias de colaboração terão prioridade. A ideia é criar um ambiente colaborativo, para que usuários, empresas e instituições do parque possam trabalhar e interagir mais facilmente entre si.

O pacote de colaboração será utilizado também em treinamentos online, acompanhado por soluções básicas de conectividade e mobilidade através de uma infraestrutura de nuvem compartilhada entre pesquisadore.

A partir desse estudo e modelo Smart Campus, a ideia é expandir o uso da tecnologia para os principais prédios e para o entorno do Parque Tecnológico. 

Entre os cenários de soluções previstos estão Smart+Connected Buildings, que otimiza o consumo de energia elétrica através do controle via rede IP;  Smart+Connect Lighting, que monitora dados de sensores para automatizar a iluminação pública e a sinalização; e Smart+Connected Parking, solução que reúne e distribui dados para a gestão inteligente de estacionamentos e do tráfego.

A equipe do porjeto será composta por membros do Parque Tecnológico, da Cisco, da Dalcon (integradora parceira da companhia na região) e do Centro de Inovação da Cisco no Rio de Janeiro. 

Além da novidade anunciada pela Cisco, o Parque Tecnológico São José dos Campos também revelou nesta semana que se uniu ao Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista (Cecompi) como uma só organização. 

Com isso, o Vale do Paraíba, em São Paulo, passa a abrigar o maior complexo de inovação e empreendedorismo do Brasil, com um total 304 empresas e seis instituições de ensino e pesquisa.

Na união das duas instituições prevaleceu a denominação Parque Tecnológico São José dos Campos, cuja sede fica em uma área de 25 milhões de metros quadrados.

Inaugurado em 2009, o Parque foi o primeiro a ser credenciado no Sistema Paulista de Parques Tecnológicos. 

"Somos um ambiente diversificado, com uma forte sinergia de empresas entre si e de empresas com instituições de ciência e tecnologia", resume Marco Antonio Raupp, diretor geral do parque.

A organização tem a sua própria incubadora de empresas e cuida de outras duas, externas, também vinculadas ao Programa Municipal de Incubadoras de São José dos Campos. No total, são 32 empresas incubadas.

Outra união entre parques tecnológicos e contros industriais aconteceu em Joinville, com o acordo firmado no final de ano passado entre o Inovaparq e o condomínio empresarial Perini Business Park.

Enquanto o parque tem 20 empresas instaladas, incluindo nomes como Sonda IT e CITS, e convênios de pesquisa com outras 24 empresas não estão no local, o Perini ainda tem espaço de sobra. A empresa tem 2,8 milhões de metros quadrados, nos quais estão construídos apenas 260 mil.