Fabiano Rech e Denison Linus. Foto: Divulgação.

No início de agosto, o Pepsi Club, casa noturna de Caxias do Sul, na serra gaúcha, se tornou o primeiro local a fazer parte do Beetchat, um aplicativo de rede social instantânea exclusivo para estabelecimentos e seus clientes.

A expectativa é que, até o final do ano, 100 estabelecimentos façam parte da rede social instantânea. Além disso, a empresa espera 10 mil usuários cadastrados no período.

Para isso, o Beetchat busca empreendimentos de quatro nichos diferentes: baladas, bares e restaurantes, shoppings e universidades.

Por meio de QRCodes espalhadas pelo local, o público pode acessar os Beetchats dos estabelecimentos que costuma frequentar.

No app, é possível conversar com pessoas que estão no mesmo local, enviar fotos e fazer postagens. Depois de uma hora, os registros de conversas e posts na timeline são apagados da rede, como acontece no Snapchat, por exemplo.

O Snapchat é um app de troca de fotos, vídeos e mensagens que se apagam após a visualização. No entanto, o aplicativo não conecta pessoas por geolocalização, e sim a partir de contatos pré-existentes do Facebook ou celular do usuário. O valor de mercado da ferramenta já chega a US$ 10 bilhões.

O critério da localização é importante para os jovens frequentadores de festa para facilitar a aproximação com alguém que desperte interesse. O Tinder é um app usado para essa finalidade, por exemplo.

O Tinder tem mais 100 milhões de usuários no mundo. Desses, cerca de 10% estão no Brasil, um dos principais mercados da ferramenta. Entre os usuários, 80% são solteiros de 14 a 35 anos. 

O Beetchat deve atrair o mesmo perfil de público. A diferença dele para apps como o Tinder é a relação entre conhecer pessoas próximas e receber promoções e mensagens dos locais que frenquenta.

As empresas que entram no Beetchat podem oferecer promoções e passar comunicados para o público. Para integrar o estabelecimento à rede social, as empresas pagam uma assinatura mensal.

“Com a assinatura, os locais têm acesso à ferramenta chamada Dashboard Beetchat. Com essa ferramenta, o estabelecimento publica mensagens no inbox, delega administradores do chat em tempo real e atualiza o seu perfil no Beetchat”, explica o CEO e fundador da empresa, Fabiano Rech, empresário formado em administração pela Universidade de Caxias do Sul. 

Denison Linus foi o engenheiro de software responsável pelo desenvolvimento da ferramenta, que começou a ser feita em janeiro.

Linus é co-fundador da Visualitica, empresa responsável por um pacote de análise para quem investe no mercado financeiro.

O app está disponível para Android. A versão para iOS está em desenvolvimento.