A IBM criou um concurso de culinária na Universidade Anhanguera. Foto: YanLev/Shutterstock.

Em parceria com a Kroton, a IBM realiza nesta quinta-feira, 01, a final do "Chef Watson: Cognitive Cooking", um concurso de culinária entre alunos do curso de gastronomia da Universidade Anhanguera de São Paulo. No desafio, os futuros chefs usam o software Chef Watson para criar receitas.

O programa usa a computação cognitiva para fazer recomendações culinárias, pois entende as melhores combinações químicas entre os alimentos e quais tipos de sabores costumam agradar os mais diversos paladares. 

A partir da escolha de um ingrediente principal, um tipo de prato e um estilo culinário, os alunos elaboraram receitas que foram avaliadas pelo chef inglês James Hollister. Formado na Westminster Kingsway College de Londres, Hollister já participou de diversos concursos culinários internacionais e de reality shows como o MasterChef Professional.

Durante a etapa eliminatória, o chef apresentou aos alunos o sistema da IBM e os orientou sobre o melhor uso da ferramenta, levando em conta a originalidade e a criatividade, interpretação e desenvolvimento da receita, reaproveitamento de alimentos, controle de custos, execução e apresentação dos pratos.

"O Chef Watson é um aplicativo que funciona como uma espécie de assistente para os chefes de cozinha. Essa é uma iniciativa que ilustra o poder do Watson, um sistema na nuvem que é treinado para aprender como o ser humano e capaz de analisar altíssimas quantidades de dados, gerando hipóteses”, afirma o líder de IBM Watson para Brasil e América Latina, Fabio Scopeta.

O Watson vem se aprimorando na área culinária. No início do ano, foi lançado o livro “Cognitive Cooking with Chef Watson”, uma parceria entre a IBM e o instituto de educação culinária dos Estados Unidos. O livro contém mais de 65 receitas que foram criadas com apoio do computador cognitivo. 

Para fazer o sistema Chef Watson, pesquisadores equiparam o Watson com mais de 40 mil receitas; planilhas sobre a composição molecular de diferentes compostos; estudos sobre os aromas e gostos que as pessoas acham mais agradávies, entre outras pesquisas relacionadas.

Essa não foi a única forma “não convencional” que a IBM encontrou para demonstrar as habilidades e aplicações da tecnologia. 

O computador também chamou a atenção quando apareceu, em 2011, no tradicional quiz televisivo Jeopardy, nos Estados Unidos, e ganhou de dois competidores humanos.

No Brasil, a IBM também tentou criar uma ação descontraída. A empresa ofereceu tecnologias de big data e analytics para Luiz Felipe Scolari analisar as opiniões dos torcedores brasileiros durante a Copa das Confederações.