Danilo Igliori, chairman da DataZap. Foto: Divulgação.

O portal de anúncio de imóveis Zap entrou na área de inteligência imobiliária com o lançamento da DataZap, com o qual pretende automatizar parte do seu processo de precificação, ao mesmo tempo em que vende estudos e análises de riscos para terceiros.

Para criar o banco de dados, a DataZap partiu da base do Zap, que hoje conta com mais de 15 milhões de registros de imóveis e sete milhões de usuários e dados do índice FipeZap, uma parceria da Zap com a repeitada Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da USP.

No futuro, serão incluído dados do app para corretores Zap Pro e outras ferramentas DataZap em desenvolvimento.

Inicialmente, a empresa atuará no desenvolvimento de Modelos de Avaliação Automatizadas, também conhecidos como AVMs (Automated Valuation Models).

Os AVMs são modelos matemáticos e estatísticos que estimam o valor de um imóvel – ou de uma carteira de imóveis – por meio de um banco de dados. 

“O estudo pode complementar ou até substituir avaliações imobiliárias presenciais, que têm um custo alto”, explica Danilo Igliori, chairman da DataZap. 

Igliori é doutor em economia pela Universidade de Cambridge e atua como professor da USP há 8 anos. Entre 2011 e 2015, ele fez parte da equipe do BTG Pactual.

De acordo com Igliori, a margem de erro das avaliações por AVM em muitos casos são comparáveis à das avaliações presenciais, com a vantagem de não envolverem julgamentos subjetivos.

Evitar as visões pessoais de avaliadores e, especialmente, dos proprietários, pode ser uma vantagem significativa em um momento em que o mercado passa por mudanças e as expectativas podem não corresponder mais à realidade.

Dados do Índice FipeZap mostram que nos primeiros sete meses de 2015, o preço anunciado do metro quadrado subiu 1,5%, em média, nas 20 cidades que compõem o estudo. 

Com uma inflação de cerca de 7% no período, o indicador mostra que houve uma queda real de 5% nos preços dos imóveis de janeiro a julho.

“Em um momento em que enfrentamos uma forte desaceleração no mercado e enormes incertezas macroeconômicas, não temos dúvidas que ferramentas de inteligência serão fundamentais para redução de riscos e maximização de retornos”, relata Igliori.

Com o apoio dos AVMs a DataZap também poderá fazer simulações sobre novos empreendimentos e projetos de desenvolvimento urbano. 

A organização poderá analisar, por exemplo, o quanto uma nova estação de metrô pode impactar nos preços futuros de uma determinada região. 

O início das atividades da DataZap tem foco especial nas regiões metropolitanas de São Paulo e de Rio de Janeiro. 

A companhia não revelou metas relacionadas ao alcance da DataZap no próximo ano, nem as tecnologias de banco de dados e software de analytics utilizadas pela empresa.

O investimento em inteligência pode prover um edge num momento em que a Zap e outros players do mercado de e-commerce de imóveis estão investindo pesado.

Em junho, a Zap comprou o concorrente Sub100, que atua nas cidades e Maringá e Londrina, no Paraná. 

O negócio foi a segunda aquisição da Zap na região Sul do Brasil. Em dezembro, a empresa comprou o Pense Imóveis, criado pelo Grupo RBS e focado principalmente em Porto Alegre, Florianópolis, Blumenau e Joinville.

Outro grupo que tem investido em aquisições de sites para compra e venda de imóveis é Imovelweb. Em setembro, a empresa comprou o WImoveis, principal portal imobiliário do Distrito Federal.

Em julho, o Imovelweb adquiriu a ImóvelClass, empresa de Porto Alegre que trabalha com publicidade focada no mercado imobiliário.

Já o Estado de São Paulo comprou, em junho deste ano, 90% da Moving, plataforma de classificados digitais de imóveis que tem site e aplicativos para mobile. Essa é a segunda tentativa do Estadão na área, que há três anos encerrou sua parceria no portal ZAP.