José Antonio Antonioni, diretor de Qualidade e Competitividade da Softex. Foto: divulgação.

O programa MPS.BR atingiu em outubro a marca de 400 avaliações MPS de Software (MPS-SW), sendo 100 delas realizadas apenas nos últimos 12 meses.

A 400ª avaliação MPS-SW foi obtida pela paranaense Sinetic, com o apoio do Senai e Sebrae de Londrina.

“Os processos de qualidade estavam embarcados em nossas atividade desde a construção do plano de negócios. Com seis meses de atividades, concluímos em 60 dias as etapas para a adoção do modelo MPS no nível G”, afirma Ney José Justus Prestes, gerente de Operações da Sinetic.

O MPS-SW está em conformidade com as normas internacionais ISO/IEC 12207 (processos do ciclo de vida do software) e 15504 (avaliação de processo) e é compatível com o modelo norte-americano CMMI.

“O MPS é uma iniciativa que vem contribuindo de forma decisiva para promover a melhoria de processos de software seguindo os padrões de qualidade aceitos internacionalmente em organizações dos mais diversos portes”, analisa José Antonio Antonioni, diretor de Qualidade e Competitividade da Softex.

Em setembro deste ano, foi efetuada também a primeira avaliação MPS de Serviços (MPS-SV).

O projeto-piloto envolveu o serviço de help desk da empresa S2IT Solutions, de Araraquara, no interior paulista.
Renato Bolzan, diretor de Operações da empresa, conta que a certificação trouxe melhoria de processos (process improvement) e do desempenho dos negócios (business performance).

O modelo brasileiro de qualidade de software conquistou também, em setembro deste ano, sua primeira Instituição Implementadora no exterior: a mexicana JPE Consultores SC.

Autorizada pela Softex, a companhia eleva para 18 o número de IIs credenciadas para o MPS.BR.

As demais ficam em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Pará, Recife, Espírito Santo e Ceará.

O credenciamento da empresa mexicana se deu no âmbito do projeto Relais – Rede Latino-Americana da Indústria de Software, que tem apoio do BID/Fomin para ampliar a execução do MPS.BR no Brasil, Colômbia, México e Peru.

Antonioni explica que para ser uma II é preciso ter pelo menos três consultores de implementação treinados no modelo MPS e aprovados em prova específica (P2/MPS - Prova para Implementadores MPS); no mínimo um coordenador e ao menos dois membros da equipe de implementação MPS.

Atualmente, segundo ele, existem IIs com três a 20 consultores de implementação MPS.

Interessados em saber mais sobre o credenciamento podem se informar na seção Instituições Autorizadas no site da Softex.