Essa é a segunda vez nos últimos meses que a Microsoft muda de ideia após reação negativa. Foto: Pexels.

A Microsoft voltou atrás e não vai mais permitir que o usuário final compre as ferramentas da plataforma Power à vontade.

De acordo com o The Register, a empresa anunciou que, a partir de 19 de novembro, os administradores de TI poderão desativar a plataforma de autoatendimento.

A opção de veto poderá ser feita por produto, impedindo que os colegas de trabalho licenciem e instalem o PowerBI, PowerApps e Flow sem limites.

Nesta semana, a Microsoft havia anunciado que iria permitir a compra por autoatendimento para o usuário final do Office 365 na plataforma Power.

Na medida, os usuários finais poderiam comprar assinaturas ou atribuir licenças para si ou para seus departamentos sem entrar em contato com o administrador.

Com isso, a área de TI perderia o controle sobre parte do ambiente de tecnologia, uma situação cada vez mais comum, conhecida pelo termo Shadow IT.

A oferta de autoatendimento será mantida, mas vai demorar um pouco mais para ser lançada. 

A previsão de início era para novembro, mas a opção deve ficar disponível somente em 14 de janeiro. Será com o Power BI para todos os clientes comerciais da nuvem.

A volta atrás da Microsoft teve base nos comentários dos clientes, principalmente administradores de TI, que não gostaram nada da novidade.

Ela seria um desafio para administradores de TI, não apenas com o controle de custos, mas também com a conformidade, o controle da expansão de dados e a manutenção de sistemas coerentes.

A empresa de tecnologia havia dito que o recurso de compra por autoatendimento chegaria automaticamente e não seria configurável, não havendo nenhuma ação a ser tomada.

Outra atualização divulgada é que as organizações com licenças governamentais, sem fins lucrativos e educacionais não serão elegíveis para a opção de autoatendimento.

OPS!

Essa é a segunda vez nos últimos meses que a Microsoft anuncia uma decisão polêmica e dá para trás com a reação negativa.

Em julho, a empresa decidiu que ia cobrar o valor cheio das licenças de uma série de soluções oferecidas a preços camaradas para os seus parceiros, como parte do programa de canais.

Com a perspectiva de terem que pagar a conta completa pelo uso da tecnologia da Microsoft, o que aumentaria seus custos várias vezes, os parceiros ficaram revoltados. 

Uma petição online com mais de 5 mil assinaturas acusa a multinacional de estar “entrando em guerra com seus parceiros”.

Analistas do mercado de canais também acharam a medida desastrada. 

Em menos de uma semana, a Microsoft reverteu a decisão.