TRANSFERÊNCIAS

Novo golpe com Pix mira em empresas

01/11/2021 13:30

Estelionatários estão abrindo contas PJ com nomes parecidos aos de fornecedores.

Criminosos estão levando até R$ 10 mil das vítimas. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

Um novo novo golpe envolvendo o Pix começou a ser visto com mais intensidade nas últimas semanas: criminosos estão levando até R$ 10 mil de empresas de pequeno porte fingindo ser seus fornecedores.

Segundo a AllowMe, empresa especializada em proteção de identidades digitais e prevenção a fraudes cibernéticas, o golpe do falso fornecedor envolve a abertura de contas de pessoa jurídica em bancos digitais em nome de empresas falsas.

Os nomes dessas companhias têm grafias similares a corporações já conhecidas, geralmente com uma letra trocada ou duplicada. Com a conta aberta, os criminosos entram em contato com a empresa que será vítima do golpe. 

Eles, então, se passam por fornecedores daquela corporação, informam que houve uma alteração nos processos de pagamentos via Pix e solicitam uma transferência de confirmação ou de teste. 

"Os fraudadores podem ter acesso à lista de fornecedores de várias maneiras: por vazamento de dados na internet, por informações internas ou até mesmo entrando no site da empresa e vendo um selo no rodapé da página. Há casos em que os criminosos solicitam no contato o valor exato da fatura do contrato entre as empresas", explica Ranier Aquino, analista de segurança da informação do AllowMe.

O foco deste tipo de golpe seria empresas com processos menos rígidos de pagamento de fornecedores e com menos camadas de aprovação.

Além disso, é necessária uma dose de desatenção por parte das pessoas encarregadas de realizarem as transferências, uma vez que o Pix exibe uma tela de confirmação com nome da empresa destinatária, CNPJ e banco.

Essa não é a primeira vez que os brasileiros utilizam o Pix para golpes. Em julho deste ano, viralizou no TikTok um possível esquema de pirâmide com o uso do método de pagamento. 

De acordo com o site Poder360, a tática consiste na criação de um grupo, normalmente no aplicativo WhatsApp, em que pessoas possam recrutar outros membros ao compartilhá-lo com amigos, conhecidos e seguidores nas redes sociais.

Cada um desses novos participantes têm de transferir uma quantia em dinheiro para seu anfitrião, entre R$ 1 e R$ 5. Depois disso, a pessoa é promovida a “administrador“, podendo repetir o processo com seus amigos e conhecidos.

Quando a capacidade de membros chega ao seu limite, um novo grupo pode ser criado para dar sequência ao esquema.

Veja também

CAPITAL
Fundadores da Ebanx criam fundo focado em fintechs

Para isso, Honey Island Capital e 4UM Investimentos estão captando R$ 100 mi.

TRANSPORTE
Transporte público vende passagens pelo WhatsApp

Sistema dobra a capacidade de comunicação com o passageiro em São Paulo.

APORTE DA CHINA
Tecent investe na Omie

Omie não revela quanto foi, mas só a grife do novo investidor já conta muito.

TRANSFERÊNCIAS
Chegou o seguro para Pix

Mercado Pago e Santander lançam seguro contra fraudes em operações feitas pelo Pix.

PONTOS
Santander cria marketplace com Oracle

Projeto da plataforma de recompensas do banco foi entregue pela Compasso.

VAREJO
Pernambucanas implanta Pix com Matera

A Pefisa, fintech da varejista, utilizou o novo sistema de pagamentos para substituir boletos.