Marco Lorena.

A Stemac vai migrar seu data center de Porto Alegre para a estrutura da Brastorage no Centro Empresarial de São Paulo, na capital paulista.

O equipamento físico, em um total de 10 racks, incluindo um servidor RISC da IBM, será transferido em fevereiro, durante a semana de carnaval.

A migração final será antecedida por alguns passos anteriores. Primeiro, os sistemas da fabricante de grupos geradores rodarão em paralelo na estrutura da Brastorage e em Porto Alegre, depois em um “ambiente bolha” criado pela empresa paulista no seu data center.

Finalmente, quando as máquinas da Stemac estiverem em São Paulo, o sistema será migrado para sua destinação final.

O contrato da Stemac prevê full outsourcing dos serviços relacionados com a manutenção da infra, incluindo banco de dados, redes, backups e virtualização. 

No futuro, a ideia é que os equipamentos próprios sejam substituídos por uma nuvem privada criada pela Brastorage.

“É o primeiro cliente gaúcho que nós trazemos para o nosso novo data center e eu espero que muitas organizações sigam o exemplo”, comenta o diretor presidente da Brastorage, Marco Lorena.

Apesar de todo o hype em cima de computação em nuvem, a maioria das empresas do Rio Grande do Sul ainda prefere manter sua infraestrutura em casa, ou, como muito, em data centers instalados no estado.

O passo da Stemac é produto de uma combinação de fatores. A empresa está de mudança para uma nova sede em Porto Alegre e precisaria mover o data center de qualquer maneira.

A nova sede, um prédio de 12 andares em construção na Zona Norte de Porto Alegre, demandará um investimento de R$ 50 milhões.

No local ficarão concentradas as atividades administrativas, com a produção sendo deslocada para Goiás, onde serão investidos outros R$ 170 milhões.

A Brastorage inaugurou em janeiro um centro de alto padrão, resultado de  um investimento de R$ 10 milhões na estrutura que antes abrigou o centro de dados da Unilever para a América Latina.

Outros R$ 1,5 milhão foram gastos em equipamentos. Com espaço para 108 racks, o centro é nível Tier 3 e tem no momento uma ocupação de cerca de 20%.

Em abril de 2013, quando ainda não tinha seu data center, a Brastorage executou um projeto parecido na fabricante de pães Seven Boys, que levou seu ERP e outros sistemas para o data center Alog, em São Paulo.