Kaspersky aposta em segurança para QR codes. Foto: divulgação.

A Kaspersky Lab anunciou esta semana o lançamento de um novo aplicativo para dispositivos móveis, o Kaspersky QR Scanner. Compatível com Android e iOS, o leitor quer chamar a atenção por seus rigorosos recursos de segurança.

De acordo com a desenvolvedora, além de decifrar informações de códigos QR, o aplicativo alerta usuários sobre links potencialmente perigosos que eles contenham.

"Criminosos estão constantemente criando novos truques para atrair usuários para sites maliciosos. Um artifício que se tornou popular recentemente é criptografar um link de phishing em um código QR", destacou a companhia em nota.

Para combater malware, a proposta do app é simplificada, com mecanismos de digitalização, verificação e abertura dos arquivos, bloqueando links maliciosos nos QR codes.

"Se tudo estiver ok, ele abre a página. Se o link leva a um phishing ou um site malicioso, o usuário vê uma notificação de aviso", afirma a Kaspersky em comunicado. 

Além dos endereços de sites, o scanner detecta corretamente quaisquer textos codificados em códigos QR, bem como informações de contato, e também pode aceitar rapidamente as configurações de Wi-Fi e conectar o dispositivo à rede.

Segundo Alexey Chikov, gerente senior de produtos da Kaspersky Lab, cibercriminosos estão escondendo links em códigos QR, o que criou a necessidade do uso de scanners seguros. 

"Amanhã, se eles aprenderem a enviar links via rádio ou anexar um leitor de cartões de pontos para telefones, teremos de protegê-los também. O principal é que a tecnologia da Kaspersky Lab possa detectar o risco e efetivamente proteger os usuários", diz Chikov.

O que resta saber, entretanto, é a necessidade de toda essa segurança nos QR codes, já que poucas pessoas aderiram ao uso desta tecnologia. Segundo dados divulgados pela Pitney Bowes, apenas 15% dos consumidores ativam a tecnologia.

A pesquisa sobre a utilização dos códigos de resposta rápida foi realizada na América do Norte e na Europa com um total de 5 mil pessoas. Os dados não revelam se a leitura dos código de barras bidimensional tem aumentado ou não.

Mesmo assim, no Brasil, algumas novas tecnologias sugerem um futuro promissor para os códigos de quick response. Um deles é o uso na nota fiscal eletrônica para consumidor. No cupom impresso, um QR code é a chave para acessar a nota digital na internet.