A Playmove, de Blumenau, faturou R$ 3,5 milhões em 2015. Foto: Divulgação.

A Playmove, de Blumenau, faturou R$ 3,5 milhões em 2015. O valor representa um crescimento de 230% em relação ao ano anterior. A startup é responsável pela PlayTable, uma mesa digital com jogos educativos do Brasil. 

"As vendas para o setor público representaram 82% do nosso faturamento em 2015 e, neste ano, esperamos dobrar os negócios neste setor. Além disso, nossa meta é expandir para a área privada, que deve atingir 30% do volume total de vendas em 2016", indica o diretor executivo da Playmove, Marlon Souza.

Segundo ele, além da priorização da educação como uma política de governo, a alta do dólar motivou o investimento em soluções nacionais e também influenciou os resultados da startup. 

O aumento da produção acarretou ainda crescimento de 250% na equipe da empresa, que hoje conta com 25 colaboradores, e a mudança de sede. 

Atualmente, são cerca de 2 mil unidades da PlayTable em uso, distribuídas em 550 escolas públicas e privadas, beneficiando 200 mil crianças em todas as regiões do país.

Para 2016, as metas da empresa são dobrar a quantidade de mesas em uso, expandir as vendas para a América Latina, ampliar as parcerias com institutos e fundações e lançar 20 novos jogos para a PlayTable. 

Segundo Souza, a intensificação do programa de parceiros, focado em estúdios de games e desenvolvedores, será um dos caminhos trilhados para atingir esses objetivos. O empreendedor também pretende ampliar os times das áreas comercial e de desenvolvimento, além de lançar um novo site, com uma loja de aplicativos online.

Um mercado promissor para a startup são as instituições que trabalham com educação inclusiva. O segmento já teve destaque em 2015 e, com a Lei Brasileira de Inclusão, a expectativa que haja um aumento significativo nas vendas voltadas ao atendimento educacional especializado. 

"Acredito que 25% das mesas em uso atualmente são voltadas para esse fim", observa Marlon.