CRÉDITO

Boa Vista: dados no Google Cloud

02/02/2022 07:29

Gigante de análise de crédito vai colocar 100% das suas informações na nuvem.

Boa Vista está achando informação muito mais rápido. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

A Boa Vista, uma das maiores empresas de análise de crédito do país, passou a armazenar seus dados na nuvem do Google Cloud.

A empresa migrou seus dados em quatro meses, formando o que se chama no jargão de um “data lake”, um repositório de dados que permite o acesso à informação por parte de diferentes sistemas, para diferentes fins e combinações.

Hoje, cerca de 80% das bases de dados mais estratégicas para a companhia já foram migradas. Ao longo de 2022, 100% delas estarão na nuvem.

O Google Cloud não chega a falar qual era o ambiente anterior, mas pelo perfil do cliente dá para supor com tranquilidade que se tratava de tecnologia de ponta de algum concorrente de grande porte.

De qualquer forma, a nota do Google fala em um processamento de dados 20 vezes mais rápido e uma redução de nove vezes no tempo necessário para criar soluções com base em algoritmos, inteligência artificial e machine learning.

Além disso, mais de mil horas de operação da equipe de infraestrutura da empresa foram automatizadas.

A iniciativa está sendo tocada internamente pelo Centro de Excelência em Analytics (CEA).

O Google Cloud não chega a revelar na nota as dimensões da base de dados da Boa Vista, mas ela pode estar com tranquilidade entre as maiores do país. 

O processamento demanda 500 máquinas virtuais, abrangendo em torno de 7,5 mil processadores.

A Boa Vista trabalha com dados oriundos do Serviço Central de Proteção ao Crédito, um banco de dados criado há 55 anos pela Associação Comercial de São Paulo, com as informações do Cadastro Positivo e o também o que a nota chama de “múltiplas bases de dados próprias”.

A atuação da empresa vem mudando muito desde que se tornou um player independente, em 2010, tendo feito inclusive uma abertura de capital, em 2020.

O crescimento nos últimos tem passado pela aquisição de startups como a Acordo Certo, uma especialista em recuperação de crédito, e a Konduto, autoridade em antifraude para e-commerce e pagamentos digitais.

O objetivo é deixar para trás a imagem do “birô de crédito” para ser uma empresa de analytics.

Em função disso, a nova infraestrutura tecnológica foi acompanhada de mudanças processuais e organizacionais na Boa Vista. 

O arranjo das equipes passou de um modelo tradicional, com áreas de desenvolvimento, arquitetura, produto, entre outras trabalhando separadamente, para um modelo com 20 squads, como são chamadas as equipes multidisciplinares com as quais as empresas buscam se organizar hoje.

“Essas mudanças nos proporcionam mais agilidade em aspectos operacionais e na solução de desafios, do ponto de vista de tecnologia e de negócios”, afirma Eraldo Bernardino, o diretor de Tecnologia da Boa Vista. 

Veja também

MENU
IBM na nuvem do Serpro

AWS, Huawei, Microsoft e Oracle já estão dentro. Agora só falta você, Google.

NOMES
Falconi vai usar IA do Google

Consultoria deve abrir portas para o Google entre grandes empresas.

VAGAS
Google vai dobrar time técnico no Brasil

Serão 200 vagas abertas até o final de 2023, em BH e também em São Paulo.

BUSCAS
Amazon: dizer criado-mudo é racista

Gigante de e-commerce resolveu educar clientes brasileiros. Informação é duvidosa.

NOMES
Troca na unidade de nuvem da Tivit

Sai André Frederico, entra Daniel Galante. Cloud é metade da empresa.

PRIVADO
Barclays vai de HPE GreenLake

Depois de tentar ir para a AWS, banco decide manter seus próprios data centers.