Pequenas empresas representam 99% de todos os empreendimentos do país. Foto: Pexels.

O Sebrae realizou uma pesquisa na qual 89% das micro e pequenas empresas brasileiras já observam uma queda no seu faturamento após os início do distanciamento social.

De acordo com os dados, 36% dos empreendedores afirmam que precisarão fechar o negócio permanentemente em um mês caso as restrições adotadas até agora permaneçam.

A pesquisa, realizada entre os dias 20 e 23 de março com 9.105 donos de pequenos negócios, revelou que, na média, a redução no faturamento das empresas foi de 69%. 

Segundo os empresários ouvidos pelo Sebrae, mesmo adotando uma estratégia de venda on-line, o faturamento anual do negócio sofreria uma queda de 74%, caso as políticas de isolamento social sejam mantidas por um período de dois meses.

Com a expressiva queda nas vendas, 54% dos empreendedores já preveem que precisarão solicitar empréstimos para manter o negócio em funcionamento sem gerar demissões. 

Ao avaliar as perspectivas da economia brasileira, 33% dos empresários entrevistados acreditam que o país deve levar um ano ou mais para voltar ao normal.

O estudo ainda mostra que as medidas de restrição ao deslocamento de pessoas já fizeram com que 42% dos empresários tomassem a decisão de fechar temporariamente o negócio e levou 26% a reduzir a jornada de trabalho da empresa.

“A situação provocada pela pandemia exige de todos os agentes públicos o compromisso pela busca de soluções concretas e rápidas para os problemas que essas empresas estão enfrentando no dia a dia da crise”,  destaca Carlos Melles, presidente do Sebrae.

Segundo a instituição, as pequenas empresas representam 99% de todos os empreendimentos do país e geram mais da metade dos empregos formais.