Aberta a caça a talentos na TIC catarinense. Foto: flickr.com/cafemama/

Até 2015, um total de 11.771 vagas deverá ser aberto na TI de Santa Catarina, a maior parte delas - mais de 3,5 mil – na capital Florianópolis.

O dado é do Mapeamento de RH em TIC, realizado pela Acate e governo de Santa Catarina, que aponta nove microregiões promissoras para o setor no estado.

Hoje, conforme o estudo, há 10.098 pessoas trabalhando na TIC catarinense, mas ainda há muitas cadeiras vazias: no fechamento da pesquisa, que leva em conta o ano de 2011, foram registradas 676 vagas para contratação imediata na Grande Florianópolis, 416 em Joinville, 355 em Blumenau e 230 em Chapecó.

O mapeamento também mostra que, na busca por profissionais, as micro e pequenas empresas apresentam maior demanda, com 67% das oportunidades e possibilidade de gerar cerca de 8,6 mil postos de trabalho em TIC de 2011 a 2015.

Quanto aos setores de atuação, a maior parte das vagas (74%) deverá estar em software, com 1.897 em postos terceirização do desenvolvimento, seguida por gestão empresarial (1.518), internet e serviços (1.494) e automação comercial (1.307).

No governo, 916 vagas deverão ser abertas em TIC dentro de quatro anos.

Já os perfis de profissionais mais demandados até 2015 serão: analista desenvolvedor (1.047 postos de trabalho), analista de sistemas (1.030), programador Java (523), analista de implantações (399) e programador .Net (381).

O estudo também indica as habilidades mais demandadas pelos empregadores.

Em primeiro lugar, vem a fluência na escrita e leitura do inglês, seguida por experiência em metodologias de desenvolvimento, modelagem de dados e linguagem SQL.

O mapeamento foi realizado junto a 354 empresas de Florianópolis, Joinville, Blumenau, Chapecó, Criciúma, Tubarão, Rio do Sul, Jaraguá do Sul e Lages.

Do total, 237 companhias não atuam diretamente no setor de tecnologia, mas têm vagas para profissionais da área.

Só nestas organizações, até 2015, estarão abertos 2.730 postos de trabalho.

Os participantes responderam a um questionário online sobre ofertas de vagas imediatas, habilidades requisitadas para os cargos demandados e cursos indicados para qualificação de funcionários.

O estudo também mapeou os cursos superiores no setor, verificando alta taxa de desistência: nas 23 instituições de ensino analisadas, foram 4.065 vagas nos cursos da área em 2011, com 2.235 desistências (85%) ao longo do ano.