Larry Ellison pode ter que se defender de um pedido bilionário de indenização. Foto: flickr.com/photos/oracle_images

Tamanho da fonte: -A+A

A HP venceu a batalha judicial contra a Oracle no caso do suporte ao microprocessador Itanium.

Segundo publica o jornal Financial Times, a desenvolvedora de softwares pode sofrer um processo por danos de até US$ 4 bilhões pela fabricante de hardware.

Pela decisão do juiz James Kleinberg, da Corte de San Jose, na Califórnia (EUA), a Oracle terá de dar novamente suporte ao microprocessador, continuando a desenvolver software para servidores baseados na tecnologia, até que a HP pare de vender o processador.

A empresa de Redwood City diz que vai recorrer da decisão.

ITANIUM DE VOLTA
Em comunicado a HP comemora a “enorme vitória para a empresa e seus clientes”.

“O Tribunal Superior do Estado da Califórnia confirmou a existência de um contrato entre a HP e a Oracle e requer que a Oracle porte seus produtos para Itanium. Esperamos que a Oracle cumpra com sua obrigação contratual, conforme ordenado pelo Tribunal”, completa a divulgação.

A Corte entendeu que o Acordo Hurd, de setembro de 2010, requer que a Oracle continue a oferecer sua suíte de produtos baseada em Itanium, da HP, e não dá a Oracle o poder de decisão.

Ainda de acordo com o juiz do caso, o termo "suíte de produtos" significa que os produtos de software da Oracle que foram oferecidos baseados em servidores Itanium da HP incluem todos os novos lançamentos, versões ou atualizações dessas soluções.

“A Oracle deve portar seus produtos para servidores baseados em Itanium sem ônus para a HP”, afirma a Corte.

HP NOS ENGANOU
A Oracle disse que vai recorrer da decisão e que a HP enganou parceiros e clientes.

De acordo com a empresa, eles estavam convencidos de que o Itanium estava perto do fim e por isso decidiu descontinuar o suporte.

Conforme o Financial Times, uma análise independente preparada para a HP colocou os danos sofridos pela companhia em US$ 500 milhões desde o anúncio do fim do suporte. Até US$ 2020, o prejuízo chegaria a US$ 4 bilhões.

A indenização ainda tem que ser oficialmente apresentada, e deve ser introduzida numa segunda fase do processo, quando danos serão discutidos.