Os anfitriões cariocas do Airbnb faturaram cerca de R$ 100 milhões durante as Olimpíadas. Foto: Pixabay.

Nas três semanas de Jogos Olímpicos, entre 3 e 23 de agosto, os anfitriões cariocas do Airbnb recebera mais de 85 mil hóspedes do Brasil e do mundo, faturando cerca de R$ 100 milhões. 

Entre as avaliações já realizadas pelos hóspedes, 72% foram de cinco estrelas.

O Airbnb foi nomeado como Fornecedor Oficial de Acomodação Alternativa dos Jogos Olímpicos Rio 2016, e possibilitou reservas de última hora. No começo de agosto, 66 mil hóspedes já tinham garantido hospedagem, mas esse número aumentou 29% em duas semanas. 

Durante o evento, o preço médio per capita por noite ficou em R$ 178.

Segundo uma pesquisa do Ministério do Turismo do Brasil, brasileiros que viajaram para os Jogos se acomodaram mais em imóveis alugados do que em hotéis. No evento, 21,2% dos brasileiros optaram pelo aluguel de temporada, fatia maior do que a hospedagem tradicional (17,6%). 

Entre os estrangeiros, 25% também escolheram acomodação em casas. 

Ao contrário do que foi visto na Copa do Mundo de 2014, quando somente 6% dos hóspedes do Airbnb eram brasileiros, dessa vez metade deles era de viajantes domésticos. Os demais vieram principalmente dos Estados Unidos, da Argentina e do Reino Unido. 

No país, o número de anúncios duplicou em doze meses e chega a 100 mil.

De acordo com a prefeitura do Rio de Janeiro, a cidade recebeu 1,17 milhão de turistas, sendo 410 mil deles estrangeiros, durante a Olimpíada.

A área de hotelaria registrou ocupação de 94%. O país com maior número de turistas foi o Estados Unidos, seguido por Argentina e Alemanha. Cada estrangeiro gastou, em média, R$ 424,62 por dia na cidade. 

Entre os turistas brasileiros, 43% eram de São Paulo, seguidos por visitantes do Rio Grande do Sul e Minas Gerais. O gasto de cada turista do país ficou, em médica, em  R$ 310,42 por dia.