CHEGADA

Voyager Labs abre no Brasil

02/09/2021 11:46

Startup israelense tem soluções de investigação de dados para o setor de segurança pública.

Marcelo Comité.

Tamanho da fonte: -A+A

A Voyager Labs, uma startup israelense dona de uma solução usada para coletar dados usados em investigações de crimes, fraude corporativa e lavagem de dinheiro, acaba de abrir uma operação focada na América Latina.

O comando está com Marcelo Comité, um executivo experiente nesse nicho. 

Nos últimos seis anos, Comité liderou as operações na América Latina da NSO Group, outra companhia israelense, e da Cellebrite, uma empresa americana, ambas donas de tecnologia para extração e monitoração de informação com foco em um público similar ao da Voyager.

O executivo foi ainda líder da unidade de negócios Telefônica da BlackBerry e gerente regional de vendas da Apple para a região sudeste.

Os clientes típicos da Voyager são  governos, agências de inteligência, polícia, defesa, aplicação da lei, segurança de fronteira e grandes companhias privadas.

A tecnologia da empresa consegue analisar grandes volumes de dados abertos na Internet, inclusive a deep web, onde se concentra a atividade criminosa, permitindo reunir informações sobre indivíduos, grupos ou temas. 

As soluções identificam e categorizam automaticamente imagens, vídeos e dados de localização que elucidam e evidenciam as provas e conexões relacionadas. A Voyager Labs foi fundada em 2012 e já levantou US$ 100 milhões junto a investidores.

“Junto com nossa rede de parceiros em cada país, fortaleceremos os laços com clientes estratégicos nas áreas de governo, polícia, setor militar e empresas privadas. 

Estamos confiantes em oferecer uma combinação de soluções investigativas líderes mundiais em Inteligência Artificial”, afirma Comité.

Veja também

CÂMERAS
Bahia: segurança pública com Avantia e Oi Soluções

As duas empresas serão responsáveis por um sistema de videomonitoramento em 78 municípios.

LGPD
A hora de medir a segurança digital da empresa é agora

O início da fiscalização da LGPD demanda que o CISO tenha clareza sobre a eficácia dos programas de segurança digital.

SEGURANÇA
Lojas Renner: não pagamos hackers

Varejista diz para a CVM que não negociou com responsáveis pelo ataque.

BOLA FORA?
Ex-jogador é acusado na Operação Criptoshow

Anderson Oliveira, ex-Grêmio e Inter, estaria envolvido em desvios que totalizam R$ 35 milhões.

ARRIBA
TCS: centro de segurança no México

Estrutura é a primeira do tipo na América Latina e vai empregar 500 até 2023.

LGPD
Banco Safra é multado em R$ 2,4 milhões

Instituição foi a quinta penalizada pela Secretaria Nacional do Consumidor pelo mesmo motivo.