A Pado adotou o MAX Mail, da LogicNow, para evitar SPAMs por e-mail. Foto: wk1003mike/Shutterstock.

A Pado adotou o MAX Mail, da LogicNow, para evitar o recebimento de SPAMs por e-mail. O projeto contou com a consultoria da Nuvem TI, provedora especializada na oferta de serviços gerenciados.

Inicialmente, a Nuvem TI ofereceu uma versão temporária da solução, para que a Pado pudesse testá-la durante 30 dias.

"Como a empresa já usava o Microsfot Exchange, a instalação foi rápida. No dia seguinte, eles conseguiram perceber a melhora", ressalta Daniel Martins.

Antes, com função antispam própria do Exchange, a empresa não conseguir segurar a avalanche de mensagens indesejadas. A média diária era de, aproximadamente, 18 mil spams. 

Além disso, algumas mensagens importantes acabavam sendo consideradas indesejáveis por engano e não passavam pelas caixas de entrada.

Fora o incômodo de receber mensagens que nada têm a ver com o negócio, os spams são conhecidos por servirem de porta de entrada para vírus e malwares, colocando em risco a organização.

"Quando o problema começou a ficar insustentável, a Pado começou a fazer a cotação de soluções de antispam disponíveis no mercado e que pudessem mudar este cenário", diz Daniel Martins, gerente de Tecnologia da Nuvem TI.

Além da capacidade de detecção de ameaças com origem no spam e a garantia, mediante SLA (acordo de nível de serviço), de 99% de detecção das mensagens indesejadas, a Pado percebeu outras vantagens no MAX Mail.

"Quando ocorre uma queda no servidor e a paralização total da infraestrutura de e-mails, por exemplo, a integração ao MAX Mail possibilita a continuidade do envio e recebimento das mensagens, garantindo o atendimento das necessidades de comunicação da empresa", diz Daniel.

Por ser um serviço gerenciado, o investimento da Pado se dá por meio de uma taxa mensal, abrangendo um total de quase 900 contas de e-mail. 

Com a adoção, além da redução para quase zero do volume de spam chegando às caixas de entrada, houve também uma diminuição da incidência de vírus, bem como dos problemas de conectividade causados pela presença de malwares nas máquinas. 

Fundada em 1926, a Pado conta com um faturamento anual de R$ 250 milhões e é uma das principais fabricantes de cadeados, fechaduras e outras peças de metal, como dobradiças, no Brasil.