O futuro está chegando rápido. Foto: divulgação.

Não faz muito tempo que os carros são apontados como uma das tendências para os dispositivos conectados. Mesmo o assim, o Gartner já indica os carros ligados à web como um dos produtos que vão disparar nos próximos anos. Segundo a consultoria , até 2020 cerca de 150 milhões de veículos serão conectados.

Comparando com o número total de carros circulando atualmente no mundo - cerca de 1 bilhão, segundo aponta a revista Ward's Auto - a marca é considerável. Deste total de 150 milhões, 60% a 75% dessa frota será capaz de consumir, criar e compartilhar dados por meio de internet sem fio.

“Para habilitar a transformação, os líderes em produção de automóveis precisarão estabelecer parcerias consistentes com o ecossistema existente, como o Android Auto ou o Apple CarPlay, que podem simplificar o acesso e a integração de aplicações móveis dentro do veículo”, comenta o analista do Gartner, Thilo Koslowski.

Segundo o especialista, a tecnologia de carros conectados acabará por ser “mais inovadora e emocionante” do que o atual cenário de dispositivos ligados à web, como os smartphones, tablets e os badalados wearables.

Por sua vez, as empresas de tecnologia e fabricantes de automóveis estão atentas a este movimento. A corrida por inovação nos carros conectados está cada vez mais acirrada, com montadoras como Volvo, Hyundai, Ford e e empresas de tecnologia como SAP, Apple, Google, Ericsson, e outras investindo em soluções.

A SAP, em parceria com a Toyota, está criando um sistema, baseado no banco de dados em memória Hana, um sistema de inteligência para o abastecimento dos veículos, detectando quando o carro está com pouco combustível e localizando o posto mais próximo.

A Ericsson desenvolve desde 2012 com a Volvo uma solução de nuvem global da Ericsson para permitir que motoristas, passageiros e os carros se conectem a serviços disponíveis na nuvem. Com a aplicação, motoristas e passageiros serão capazes de acessar informações e navegar a partir de uma tela no carro.

A Volkswagen, em junho, adquiriu uma unidade da Blackberry na Alemanha, também de olho na criação de aplicações inteligentes para seus veículos.

O Google, por sua vez, se aliou com quatro montadoras (General Motors, Hyundai, Honda e Audi) e a fabricante de chips Nvidia para levar o sistema operacional Android Auto para veículos a partir deste ano, em uma iniciativa chamada Open Automotive Alliance.

A união tem o objetivo de criar uma plataforma comum e aberta para inovar e tornar veículos mais seguros e intuitivos, uma proposta mais ambiciosa que o que foi ensaiado recentemente pela Apple, que levou seu sistema Siri para os carros para uma plataforma de uso do telefone dentro do carro sem utilizar as mãos.