Há 15 mil robôs Kiva espalhados por 10 armazéns da Amazon. Foto: DrewKelly/Wired.

Na véspera da Cyber Monday, que aconteceu na segunda-feira, 01, a Amazon mostrou pela primeira vez como está utilizando robôs para agilizar o envio de encomendas aos clientes.

Os robôs Kiva levantam as prateleiras que contém produtos e entregam os itens para os funcionários da empresa nas estações, reduzindo significativamente o tempo que os funcionários levavam para procurar itens e colocá-los em caixas para entrega.

A Amazon adquiriu a Kiva, fabricante de robôs, por US$ 775 milhões em 2012. Desde então, a empresa tem expandido o uso de robôs para automação em seus centros de distribuição.

Há 15 mil robôs Kiva espalhados por 10 armazéns da Amazon, que tem mais de 50 instalações nos Estados Unidos.

Os robôs foram postos à prova no Cyber Monday, um dos maiores eventos de compras para o e-commerce no ano. Guiados por sensores colocados no chão do armazém, eles se movimentam com precisão incomparável, afirma o TechTimes.

Em dias de pico, como a Cyber Monday, o armazém de Tracy, na Califórnia, processa e entrega cerca de 700 mil encomendas.

De acordo com Dave Clark, vice-presidente sênior de Operações da Amazon, com o uso dos robôs Kiva, o tempo de processamento de pedidos foi reduzido de mais de uma hora para até 13 minutos.

Clark também esclareceu que mesmo com o aumento dos níveis de automação dentro da empresa, não houve redução de pessoal, devido ao crescimento da Amazon.

Apesar de não ter começado a usar os robôs agora, a apresentação na véspera da Cyber Monday for estratégica para a Amazon, que ganhou os sites de notícias e as redes sociais no dia em que mais precisa atrair consumidores.

Um ano atrás, também antes da Cyber Monday, Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon, apresentou seu plano para usar drones na entrega de pacotes. 

Nas 24 horas seguintes, as ambições da Amazon com drones - embora sem estar perto de ser um plano concreto - dominou o noticiário. 

O objetivo, obviamente, era gerar comentários sobre a Amazon para manter a empresa na mente dos compradores no início de sua temporada mais importante do ano, segundo o Huffington Post.

No ano passado, a ideia parece ter dado certo. A Amazon divulgou que os clientes compraram 426 itens por segundo na Cyber Monday do ano passado, um recorde para o e-commerce.