Foto: Agência Brasil / Wilson Dias

O Brasil pode ser o país com menor crescimento na América do Sul nos três primeiros anos do governo Dilma Rousseff. A projeção foi feita pelo jornal Folha de S. Paulo.

A média de expansão esperada para a economia brasileira entre 2011 e 2013 é de 2,4%, número menor que o projetado para todos os demais países da região.

O desempenho médio do PIB do Brasil também deverá perder no triênio para o do México e de outros nove emergentes, só acima da Hungria, afetada pela crise do euro.

As projeções indicam recuperação do Brasil em 2013, com crescimento entre 3% e 3,5%. Mesmo com a melhora , o desempenho do país deverá ser pior que o das economias mais dinâmicas da América do Sul.

A reportagem lembra que, caso a projeção for confirmada, será a primeira vez desde o governo Fernando Collor de Mello que o Brasil pegará a lanterna diante dos vizinhos no primeiro triênio de governo. Entre 1990 e 1992 a economia contraiu 1,2%.

Dentre os motivos levantados por economistas ouvidos na matéria está o da reação tímida da economia diante dos estímulos do governo. Dilma adotou medidas como a desoneração da folha de pagamentos e redução das tarifas de energia.

Outro argumento é de que por parte dos empresários há muito receio em investir devido as dúvidas com as mudanças regulatórias.

Os números levantados pela Folha são da consultoria britânica EIU (Economist Intelligence Unit).