Sede da Medabil, em Porto Alegre. Foto: divulgação.

A CP, fabricante gaúcha de no breaks adquirida em julho de 2012 pela Schneider Electric, fechou um contrato com a Medabil, porto-alegrense especializada em sistemas construtivos, para fornecimento de inversores solares para sua fábrica em Nova Bassano, na Serra Gaúcha.

O contrato envolve um sistema de 9Kw composto por três inversores solares monofásicos de 3kw, todos fabricados localmente.

A instalação alimenta com energia solar parte dos escritórios de engenharia da Medabil e pode ser acompanhada remotamente por monitoramento via web.

Em meses de operação, o sistema gerou cerca de 10MWh de energia.

“Com os nossos equipamentos, a fábrica passa a ter um sistema focado em energia renovável e adequado às necessidades de operação da planta,” explica o gerente de P&D da CP, Alexandre Saccol Martins.

Já o coordenador de Inovação da Medabil, Gilcimar Nogueira, explica que a companhia é especialista no ramo construtivo metálico e possui em seu portfólio soluções voltadas ao Green Building, como aproveitamento de água, luz solar e telhados verdes.

Assim, projetos de geração local de energia elétrica, por meio de energia solar, são fundamentais.

“Pretendemos nos consolidar como fornecedores de soluções verdes de energia, além de criar uma solução técnica com fornecedores específicos para a geração local de energia para as fábricas”, comenta Nogueira.

Ele também destaca que antes do contrato com a CP a Medabil não possuía expertise de aplicação da geração solar fotovoltaica.

“Um ano após a implantação dos inversores solares, nosso departamento de inovação possui hoje todas as ferramentas para implantação da solução fotovoltaica em seus clientes”, ressalta o coordenador.

O inversor solar foi lançado pela CP Eletrônica no começo de 2011, criado pelo departamento de P&D da companhia, inaugurado em 2010, ano em que a receita da empresa cresceu 23%, chegando a R$ 25 milhões.

Para a Medabil, a parceria é mais um passo de uma companhia em franca expansão.

Em dezembro passado, a corporação aunciou a venda de 7% do seu capital para o fundo CRP por um valor não revelado.

Segundo publicado pela Revista Amanhã, a empresa já mantém um conselho de administração e pretende abrir seu capital em até três anos, quando a meta é dobrar o faturamento e chegar à casa dos R$ 2 bilhões.

Para tudo isso, há um investimento previsto de R$ 300 milhões divididos entre todas as áreas de atuação.

Neste ano, a expectativa da Medabil é de um crescimento ao redor de 30% sobre 2012, quando o valor faturado não foi divulgado.

Para manter as bases, a TI recebe atenção, é claro.

A companhia adquiriu um ERP SAP no final de 2011, visando a substituir o software da Datasul.

O projeto vai em andamento, batizado de Programa Evolução e comandado por Ricardo de Rose, ex-gerente de TI e Telecomunicações da Epcos, que entrou no cargo em agosto de 2012, no lugar de Magda Targa, ex-CIO da Unimed Porto Alegre, que havia assumido o projeto em março.

Já a CP Eletrônica tem 1,3 mil clientes ativos na carteira e faturamento de R$ 33,4 milhões em 2011, com previsão ainda não confirmada de fechar 2012 com R$ 40 milhões.

A empresa amplia a lista de compras da francesa Schneider Electric no Brasil, que de 2010 para cá já adquiriu também as paulistas Grupo Steck, do segmento de baixa tensão, e SoftBrasil, de tecnologia para gestão da informação industrial.

O grupo francês tem cinco mil colaboradores no Brasil, distribuídos em 13 filiais comerciais e nove fábricas em Caxias do Sul, Curitiba, Blumenau, Guararema, Sumaré, Fortaleza, Manaus e duas na cidade de São Paulo.

A multi não divulga resultados por país, mas o grupo no qual o Brasil está inserido em seus negócios registrou crescimento de 5% no volume de negócios no primeiro trimestre de 2012, em relação a igual período do ano passado, totalizando € 919 milhões.

O faturamento global de janeiro a março de 2012 foi de € 5,411 bilhões.