Economia de Caxias arroxou. Foto: reprodução.

Um dos principais expoentes de negócios no Rio Grande do Sul, a economia de Caxias do Sul sofreu uma queda de 18,7% em 2015, recuando 18,7% em relação a 2014.

O percentual, previsto pela Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC) e Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), é um salto de aproximadamente 150% sobre os 7,3% de queda registrado em 2014, primeira vez em anos que o mercado da região ficou no vermelho.

Indústria e comércio registraram as maiores retrações: 23% e 29%, respectivamente. O segmento de serviços resistiu até o mês de maio, mas a partir de junho começou a registrar desempenhos negativos até fechar com uma redução de 4,6% ao final dos 12 meses.

O estudo da CIC mostra que todos os componentes do Índice do Desempenho Industrial, que ocasionaram os 23% de queda do setor, como utilização da capacidade instalada, horas trabalhadas, compras e vendas industriais e massa salarial, registraram desempenhos negativos em 2015.

Para se ter uma ideia, as compras industriais tiveram redução de 36,8% no ano passado. As vendas industriais também apresentaram índice negativo acima de 28%.

De acordo com a diretora de Economia, Finanças e Estatística da CIC, Maria Carolina Gullo, no comparativo entre os meses de dezembro de 2015 e dezembro de 2014, a economia caxiense teve redução de quase 20%. Já em dezembro em relação a novembro de 2015, houve leve queda de 0,3%.

“Todos os três grandes segmentos da nossa economia estão em queda, e 2015 foi pior do que 2014 para a nossa atividade econômica”, ressalta Maria Carolina.

Em 2015 o comércio em Caxias do Sul fechou o ano como começou: no vermelho. Com relação a 2014, a atividade do varejo sofreu queda total de 29,15%.

A crise se refletiu no número de empregos. O ano se encerrou com um total de 165.560 postos de trabalho na cidade, com a perda de 14.171 vagas, 7,9% a menos em relação a 2014.

A indústria foi o setor com pior desempenho, com queda de 13% no volume de empregos. Comércio e serviços tiveram quedas de 4,7% e 2,3% respectivamente. As entidades, porém, não acreditam que o desemprego crescerá ainda mais.

“A maior parte do ajuste já foi feita", pondera a diretora do CIC.

Quanto às exportações, a queda foi de 10,6% e as importações registraram um recuo de 31,3% em 2015. Esse desempenho fez com que o saldo da balança comercial caxiense registrasse um crescimento de 11,5% no ano passado.

Em 2015, os principais destinos das exportações caxienses foram Argentina, Chile, Estados Unidos, Peru, México, Uruguai, China e Equador. E os principais países de origem das importações foram China, Itália, Alemanha, Estados Unidos, Índia e Argentina.

Para o vice-presidente de Indústria da CIC, Carlos Zignani, a economia sofre os reflexos da instabilidade política e se ressente da falta de confiança nos rumos do País. Zignani acredita que a economia local viverá um primeiro semestre ainda negativo, e espera alguma retomada somente a partir do segundo semestre de 2016.

"A grande saída para as indústrias de Caxias do Sul está nas exportações e no agronegócio”, afirma o vice-presidente da CIC.