REDE

Telefônica e CDPQ criam joint-venture de fibra por atacado

03/03/2021 11:09

Grupo canadense deve investir até R$ 1,8 bilhão no negócio, que terá participações de 50%.

A participação do Grupo Telefónica será realizada por meio da Telefônica Brasil e da Telefónica Infra. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

O Grupo Telefónica e a Caisse de dépôt et placement du Québec (CDPQ), grupo canadense de investimento, anunciaram a criação da FiBrasil, empresa de rede neutra e independente de fibra por atacado, com um investimento de até CA$ 408 milhões, cerca de  R$ 1,8 bilhão.

O valor deve ser investido pela CDPQ em duas parcelas, mas a transação ainda está sujeita à aprovação regulatória. O fechamento do negócio está previsto para ocorrer no segundo trimestre de 2021.

Com a conclusão, cada empresa terá 50% da FiBrasil, em um modelo de governança de co-controle. 

A participação de 50% do Grupo Telefónica será realizada por meio da Telefônica Brasil, a Vivo, e da Telefónica Infra, braço de infraestrutura da companhia. Cada uma terá 25% de participação.

Atuando como uma empresa de atacado neutra, a FiBrasil irá implantar e operar redes de fibra em cidades de médio porte fora do estado de São Paulo, comercializando o acesso à fibre-to-the-home (FTTH) a todos os provedores de telecomunicações.

A nova companhia já começa com um portfólio de 1,6 milhão de Homes Passed (HPs) oriundos da Telefônica Brasil e pretende expandir a rede para 5,5 milhões de domicílios em um período de quatro anos.

“Estamos muito satisfeitos em colocar a nossa experiência em FTTH e capacidades comerciais nesta parceria, unindo forças com a CDPQ como um elemento-chave para o sucesso, fortalecendo nossa proposta de valor e reforçando nossa estratégia de crescimento", afirma Ángel Vilá, COO do Grupo Telefónica.

Para a CDPQ, a transação é uma oportunidade para diversificar seu portfólio de infraestrutura, que conta com ativos líquidos de CA$ 30 bilhões, cerca de R$ 136 bilhões, e demonstra o interesse contínuo da empresa pelo Brasil e pela América Latina.

"A CDPQ está entusiasmada em estabelecer uma joint-venture com a Telefónica, uma das principais provedoras de serviços de telecomunicações do mundo, para acelerar a entrega de infraestrutura de fibra de próxima geração para mais 5 milhões de lares brasileiros”, afirma Emmanuel Jaclot, vice-presidente executivo e líder de infraestrutura da CDPQ. 

A Vivo deve ser o principal cliente da FiBrasil, que também se beneficiará da sua capacidade de comercialização em seus diversos canais de vendas online e offline.

“A fibra será um fator chave para o crescimento futuro da receita da Vivo, com o objetivo de atingir pelo menos 24 milhões de HPs até o final de 2024, e a FiBrasil será a plataforma para expandir a cobertura para cidades greenfield", conta Christian Gebara, CEO da Telefônica Brasil.

O Grupo Telefónica é um dos maiores conglomerados de comunicação do mundo, com operação na Europa e na América Latina e mais de 345 milhões de clientes. Em 2019, sua receita foi de € 48,4 bilhões.

A Vivo é a marca comercial da Telefônica Brasil e soma 93 milhões de acessos no país. Líder de mercado no segmento móvel, a Vivo conta com uma participação de 33,6% no marketshare, com 78,5 milhões de linhas em operação.

Na operação fixa, encerrou dezembro de 2020 com 15,7 milhões de HPs com tecnologia de fibra até a casa do cliente (FTTH) em 266 cidades.

De acordo com o site Convergência Digital, a transação faz a Vivo sair na frente das rivais Oi e TIM, que ainda negociam com seus investidores para ter a operação de rede neutra ou rede aberta, como fala a TIM.

O Caisse de dépôt et placement du Québec (CDPQ) é um grupo de investimento global que gerencia fundos para planos de aposentadoria e seguros públicos, com ativos líquidos na casa dos CA$ 365,5 bilhões.

Veja também

COMANDO
Ex-Telefônica é o novo presidente da Padtec

Carlos Schoeninger sucede Manuel Andrade, que assumiu as operações internacionais da empresa.

CONTRATAÇÃO
Minsait agora tem head de CXM

Renato Gonzalez vem da Wipro Limited e chega para assumir a nova área da empresa.

OPEN SOURCE
Telefônica Brasil usa OpenStack da Canonical

Operadora migrou o seu sistema de cobrança para uma nuvem privada.

REUNIÕES
ANTT instala Microsoft Teams com Brasoftware

Agência já havia implementado o Office 365 para os seus mais de 1,8 mil funcionários.

EDUCAÇÃO
PASB implanta Adobe Sign com Brasoftware

Ferramenta permite envio e assinatura de documentos a partir de qualquer dispositivo.

NORTE
Banpará adota Office 365 com Brasoftware

Instituição financeira migrou cerca de 3 mil usuários para a plataforma em nuvem da Microsoft.

CADEIRAS
Marcelo Menta sai da Genesys

Executivo liderava empresa de soluções para contact center desde 2015.

PÚBLICO
MPRJ adota Office 365 com Brasoftware

Instituição migrou cerca de 7,5 mil usuários para a plataforma em nuvem da Microsoft.

INFRA
Sesc Manaus migra para Arcserve com Brasoftware

Instituição mantinha seus dados in house e migrou cerca de 1 terabyte em três meses.

POSICIONAMENTO
Vivo vira broker de nuvem

Plataforma começa com Microsoft, Huawei Cloud e AWS e logo terá Google também.