TELEFONIA MÓVEL

Operadoras vão repassar localização de usuários ao MCTIC

03/04/2020 12:57

Dados devem estar organizados de forma estatística para acompanhar concentração de pessoas.

Algar Telecom, Claro, Oi, Tim e Vivo vão disponibilizar os dados. Foto: Pixabay.

Tamanho da fonte: -A+A

A Algar Telecom, Claro, Oi, Tim e Vivo, principais operadoras móveis do país, vão oferecer ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) a localização de seus usuários para monitorar a mobilidade populacional.

Com as informações, o governo poderá acompanhar deslocamentos, pontos de aglomeração e identificar situações de concentração de pessoas e risco de contaminação pelo novo coronavírus.

O MCTIC possui uma sala de acompanhamento do tema e poderá disponibilizar os dados de mobilidade a todas as esferas do poder público, exclusivamente para assuntos relacionados ao combate da covid-19.

Segundo o SindiTelebrasil, os dados estarão em um data lake, organizados de forma agregada, estatística e anônima, de forma alinhada às normas da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e do Marco Civil da Internet.

As operadoras desenvolverão, ainda, aplicativos e casos de uso para auxiliar os órgãos públicos no mapeamento da evolução da epidemia do novo coronavírus.

Outras empresas, universidades e startups também podem ser convidadas para participar da ação, agregando mais dados ou desenvolvendo outros aplicativos e casos de uso.

Nesta semana, a Vivo já tinha anunciado um acordo de cooperação com o governo de São Paulo na mesma linha, usando seus recursos de Big Data.

Segundo a empresa, o objetivo paulista é a análise estratégica das informações para que o comitê destinado ao coronavírus possa indicar tendências e antecipar os próximos passos da disseminação da Covid-19, assim como apontar a eficácia das medidas de isolamento social.

As informações devem ser apresentadas como um “mapa de calor” que indica maior ou menor concentração populacional por localidade, em diferentes períodos.

Em um hospital, por exemplo, será possível avaliar se há grande fluxo de pessoas para aquela localidade e qual é a sua origem, podendo apontar sobrecarga de atendimentos e informar em quais bairros ou cidades há uma concentração de casos de Covid-19.

Outra análise possível é sobre o isolamento social, entendendo o fluxo de pessoas nas principais vias e o deslocamento entre bairros.

Veja também

ATENDIMENTO
Governo autoriza fechamento de call centers

Portaria parece uma preparação para uma piora no cenário do coronavírus.

RODÍZIO
Peru: mulheres saem num dia, homens no outro

Medida visa facilitar a fiscalização do cumprimento da quarentena no país.

CERTIFICAÇÃO
MicroStrategy libera cursos na quarentena

Treinamentos que custam, em média, US$ 600 estão disponíveis gratuitamente até 30 de abril.

IMPACTO
Queda no faturamento já atinge 89% dos pequenos negócios

De acordo com o Sebrae, grande parte dos empreendimentos pode fechar as portas em um mês.

CORONAVÍRUS
TI do Rio de Janeiro aderiu em peso ao home office

Levantamento do sindicato TI Rio mostra que 99% entraram no sistema.

CENTRO-OESTE
Vivo expande franquia de fibra ótica em Goiás

Novo Gama é a terceira cidade goiana a receber a Terra Fibra.

ECONOMIA
Governo autoriza corte de salário e redução da jornada

Tesouro Nacional pagará uma compensação no valor do seguro-desemprego por até dois meses.

JOGO INFINITO
Mantendo o barco à tona em águas turbulentas

A certeza sobre o que você precisa para vencer não existe. 

TENDÊNCIA
Microsoft: todos eventos agora digitais?

De acordo com site americano, companhia planeja uma virada radical para 2021.

SALAS VAZIAS
WeWork oferece descontos de 50% para inquilinos

Na tentativa de obter receita durante a crise, empresa está buscando contratos de longo prazo.