Segundo Bernardo, a redução de preço seria maior. Foto: Agência Brasil.

Quando anunciou em abril a desoneração do PIS e Cofins para os smartphones, o Governo Federal criou a esperança de preços bem mais acessíveis para os aparelhos. Para o Ministro da Comunicação Paulo Bernardo, o corte em celulares na faixa de preço até R$ 1,5 mil poderia chegar a 30% em relação aos dispositivos importados. Segundo os varejistas, um mês depois, o desconto ainda não é tão grande assim.

De acordo com reportagem do UOL Tecnologia, lojistas chegaram a reduções de no máximo 13%, um índice mais próximo do percentual real de desconto dado com a isenção dos impostos, que foi de 9,25%.

No entanto, conforme apontam os lojistas, o consumidor ainda deve pesquisar bem para fazer um bom negócio e encontrar os melhores descontos. Embora a isenção seja usada como chamariz em algumas lojas, ela nem sempre representa o maior desconto ou menor preço.

O desconto médio dado pelas lojas aos celulares com isenção é de 10%. Há casos em que a redução é maior, como a do smartphone Motorola Razr i, que teve desconto de 13% no Extra, caindo de R$ 1.299 para R$ 1.129.

Mas esse mesmo aparelho está mais barato no Magazine Luiza, onde teve 10% de redução: foi de R$ 1.199 para R$ 1.089. Segundo os lojistas, o importante é manter o valor final como foco da pesquisa, para assim conseguir tirar o melhor proveito do benefício.

Entre as fabricantes que já produzem smartphones desonerados estão LG, Motorola, Samsung, Sony, Nokia e CCE. Além do preço, os smartphones com desconto na tributação precisa cumprir outras exigências como conexão 3G, Wi-Fi, aplicativo para navegação na internet, aplicativo de e-mail (correio eletrônico), tela sensível ao toque  ou teclado físico no padrão QWERTY e tela de até 18 cm².

No caso dos dispositivos com conexão 4G, eles deverão funcionar na frequência escolhida como padrão pelo governo brasileiro, que é de 2,5Ghz.

A Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) estima que os smartphones responderão por 44% das vendas de telefones móveis no Brasil em 2013, representando uma venda total de 29 milhões de  unidades, contra 16 milhões do ano passado.

Segundo o Ministério da Comunicação, há no Brasil cerca de 65 milhões de pessoas que possuem smartphones.