A LOT Group assinou o contrato para ingressar na Incubadora Tecnológica do Tecpar (Intec). Foto: Divulgação.

A empresa ucraniana LOT Group, especializada em sistemas de gestão de transporte público, sistemas de pagamento e controle de acesso, assinou o contrato para entrar no processo de incubação da Incubadora Tecnológica do Tecpar (Intec). 

A modalidade da incubação é residente, ou seja, a empresa vai usar as instalações do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) para desenvolver seus produtos.

A LOT América, subsidiária criada para entrar no mercado brasileiro, vai ter o apoio da Intec para acessar aos países da América Latina. A LOT Group reúne um grupo de empresas do leste europeu dedicadas ao desenvolvimento e fabricação de soluções integradas de sistemas de transporte público, sistemas de pagamento e controle de acesso. 

Com sede em Carcóvia, segunda maior cidade da Ucrânia, o grupo atende a mais de 400 empresas da Europa, Ásia, Norte da África e América Latina.

Durante a era soviética, Carcóvia foi a capital da produção industrial na Ucrânia e o terceiro maior centro de indústria e comércio da URSS. Após o colapso da União Soviética, a produção industrial, em grande parte orientada para o sistema de defesa, diminuiu. 

Nos anos 2000 a indústria começou a se recuperar e se adaptar às necessidades da economia de mercado. Agora existem mais de 380 indústrias concentradas na cidade.

A Carcóvia é um dos centros mais prolíficos de ensino superior e pesquisa da Europa Oriental. A cidade tem 13 universidades nacionais e diversas instituições privadas de formação técnica e de graduação.

A empresa ucraniana chegou até o Tecpar por meio da Agência Curitiba de Desenvolvimento. De acordo com Ivan Kryvokin, diretor de Desenvolvimento da América Latina da LOT Group, a escolha do Paraná se deu porque o estado, em sua opinião, é o que hoje oferece o melhor ambiente de negócios na área de tecnologia no Brasil.

“Além disso, como sou ucraniano, encontrei no Paraná uma forte comunidade ucraniana, que reforça laços culturais entre o estado e o meu país”, salienta.

Plaucius Vinicius, executivo da LOT América, ressaltou que a empresa vai começar a buscar profissionais paranaenses para atuar na companhia. 

“Estar no Tecpar chancela a nossa empresa junto ao mercado e a Intec nos dá suporte para encontrar fornecedores e novos parceiros. Nossos produtos terão um grau de nacionalização de 70%”, explica Vinicius.

Depois de gerir negócios de empresas como GVT, Visa e Algar Tech, Vinicius também atua como gerente regional sul da M2M Solutions, conselheiro estratégico da RDM Itália e gerente de negócios para América Latina na WWB Ventures, focada em negócios internacionais.

Transferir tecnologia ao país é um dos requisitos para uma empresa estrangeira entrar na incubadora, afirma Gilberto Passos Lima, gerente da Intec. Para ele, a atração de companhias internacionais para a incubadora faz parte da estratégia da Intec para se diferenciar no mercado. 

“A incubadora busca se diferenciar atraindo empresas internacionais que tenham interesse em entrar no mercado brasileiro e latino-americano”, pontua.

Fundada em 1989, a Incubadora Tecnológica do Tecpar é a primeira de base tecnológica do Paraná e a quinta do país. Ao longo de seus 25 anos, a Intec já deu suporte tecnológico a 91 empresas. 

No momento, seis empresas passam pelo programa de incubação: EngeMOVI, Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP), Grupo SaaS, 2IM Impacto Inteligência Médica, Beetech/Beenoculus e LOT América.