Payleven se ali a Visa para conquistar desbancarizados. Foto: divulgação.

A Payleven, multinacional do segmento de pagamentos móveis, se aliou à Visa para uma oferta voltada a micro e pequenos empreendedores, usando uma solução de cartão pré-pago.

A solução permitirá que usuários das máquinas de mPOS da empresa, como microempreendedores e profissionais liberais, recebam os valores transacionados via cartões em um cartão pré-pago Visa, sem a necessidade de terem contas bancárias.

A solução converte as vendas feitas em crédito disponível em um cartão pré-pago. Ele será emitido em nome do cliente e será entregue juntamente com o leitor Chip&Senha. A partir daí o titular poderá utilizar o mesmo para fazer compras e sacar valores nos caixas da Rede Visa Plus.

As empresas não deram informações sobre o tempo de compensação dos valores transacionados. No modelo tradicional das máquinas de POS, ela pode varias de três até 60 dias, dependendo do caso.

Com este novo produto, a Payleven mira uma parcela dos comerciantes que opera fora do setor bancário, e muitas vezes não adotam plataformas eletrônicas de pagamentos, devido à exigência por uma conta em banco.

Segundo dados divulgados pelo Instituto Data Popular, 39,5% da população brasileira com 18 anos ou mais - o que corresponde a, aproximadamente, 55 milhões de brasileiros - não possui conta bancária.

Diante disso, as empresas visam proporcionar ao mercado de microempreendedores uma oportunidade de acesso a pagamentos com cartão sem a necessidade de ter vínculo com bancos.

“Com a parceria, aumentaremos exponencialmente a nossa base de clientes, uma vez que passaremos a oferecer uma nova forma de recebimento para uma enorme gama de profissionais até então sem acesso às facilidades dos pagamentos eletrônicos", explica Adriana Barbosa, diretora-geral da payleven.

Segundo Renato Rocha, diretor de soluções e vendas para comércios da Visa, a solução no plano da empresa em aumentar a penetração dos meios eletrônicos de pagamentos em novos segmentos comerciais.

“Por possibilitar que não-bancarizados aceitem pagamentos em cartões, esta solução abre as portas para incluir financeiramente diversos profissionais que antes só poderiam receber pagamentos em dinheiro em espécie, colaborando para uma expansão de seus negócios”, avalia Rocha.