Ronan Maia.

A PC Sistemas, especializada em software de gestão para o segmento atacadista e distribuidor, começou a vender o Fluig, plataforma de colaboração e produtividade da Totvs. 

O alvo são os clientes do WinThor, software de gestão da companhia, sobre o qual o Fluig rodará oferecendo funcionalidades como gestão de identidades, workflows, dashboards, automação de processos e mobilidade.

A PC criou funções de gestão de contratos, o controle de transporte de mercadoria, a aprovação de limite de crédito e a solicitação de compra com alçada.

“Temos software de gestão líder no segmento atacado distribuidor e a oferta da plataforma de colaboração sela um novo nível de maturidade tecnológica no portfólio da companhia. Este é o futuro e estamos em sintonia com ele”, finaliza Ronan Maia, diretor executivo da PC Sistemas.

Com mais de 4,9 mil clientes e 53 mil usuários, a PC é líder no seu segmento, com uma participação de mercado estimada em 33%.

A empresa havia faturado R$ 52 milhões em 2012, último ano antes de ser adquirida pela Totvs por  R$ 80 milhões, mais R$ 15 milhões relacionados ao cumprimento de metas. 

No final de 2013, a Totvs integrou a sua solução de gestão de Recursos Humanos Eficaz RH ao Winthor.

O novo acordo marca a entrada do Winthor dentro da estratégia de produto da Totvs, na qual os diferentes softwares de ERP ficam em segundo plano, funcionando como os motores transacionais do vistoso Fluig, solução no qual a companhia está realmente apostando suas fichas.

A ideia é o Fluig seja a plataforma onde os processos de negócio, de colaboração e outras rotinas da empresa sejam executados, através de uma série de módulos. No momento, 400 clientes já usam o produto. 

A Totvs já anunciou que não deve fazer novos releases de ERP, adotando uma estratégia de melhorias incrementais. Não foi dito se o Winthor entrou nessa estratégia. É possível que não, uma vez que a PC tem mantido uma atuação independente.

A maior integração da PC com o universo Totvs é uma má notícia para empresas como a Máxima, que espera faturar  R$ 15,4 milhões neste ano vendendo automação de força de vendas em cima da base Winthor. 

Em 2013, a empresa afirmava já atender a 42% dos clientes da PC Sistemas no país e com planos de chegar a 60% até o final do ano passado.

Recentemente, um dos fundadores da Máxima saiu da empresa para fundar a Ion, que tem a mesma proposta e  meta de fechar o primeiro ano de atuação com R$ 1 milhão de faturamento.