Monsanto aposta do Big Data. Foto: divulgação.

A gigante norte-americana do setor agrícola Monsanto também está de olho nas vantagens do Big Data para seus negócios. Tanto que para isso anunciou nesta quarta-feira, a aquisição da Climate Corporation, em um negócio de US$ 1,1 bilhão.

Criada em São Francisco em 2006, e com aportes por conta de fundos como Founders Fund, Khosla, Google Ventures, NEA, Index Ventures e Atomico, a Climate Corporation emprega algoritmos de inteligência artificial para reunir informações de clima e aplicá-las ao uso na agricultura.

Com a aquisição, a Monsanto planeja agregar mais valor a seus produtos agrícolas, como sementes, soluções de produtividade para lavouras e em biotecnologia.

"A aquisição combinará a expertise da Climate Corporation em análise agrícola e gestão de riscos com as capacidades da Monsanto em pesquisa e desenvolvimento (P&D), fornecendo aos agricultores mais dados sobre os fatores que afetam o sucesso de suas plantações", afirmou a Monsanto em nota.

Também, internalizando estas informações, em vez de utilizar plataformas terceirizadas, a empresa concentrará informações essenciais ao seu negócio, um diferencial em relação a empresas concorrentes.

Embora controlada pela multinacional, a Climate continuará operando como uma companhia em separado, fornecendo sua plataforma de Big Data para o uso pela Monsanto, que a expandirá mundialmente.

Isso pode inclusive ter efeitos no Brasil, onde a Monsanto controla diversas companhias de produção de sementes e desenvolvimento de culturas transgênicas.

Segundo analisa o TechCrunch, a aquisição é um movimento no plano de recuperação financeira da multinacional, que registrou perdas de US$ 249 milhões no último trimestre.

"É um plano de reação a longo prazo, com a expectativa de que a tecnologia de monitoramento da Climate ajudará a Monsanto a gerenciar melhor os seus riscos futuros", afirmou Alexia Tsotsis, do TC.

Pesquisas apontam que o mercado mundial de soluções para Big Data é em torno de US$ 20 bilhões, segmento que a Monsanto passa a disputar uma fatia com a nova aquisição.