Companhia chegou a sustentar 161 linhas ao mesmo tempo. Foto: Divulgação.

A Procempa pagou celulares e planos de internet sem controle algum nos últimos oito anos, chegando a sustentar 161 linhas ao mesmo tempo.

Como usuários estão o prefeito José Fortunati (PDT), a primeira-dama Regina Becker, o vice-prefeito Sebastião Melo (PMDB), conselheiros, empregados terceirizados e até estagiários da estatal municipal de processamento de dados.

De janeiro de 2012 a setembro deste ano, a Procempa gastou R$ 385,8 mil com esses serviços, conforme dados que o jornal Zero Hora obteve pela Lei de Acesso à Informação.

Até mesmo ex-funcionários seguiam usando equipamentos custeados pela companhia. As linhas eram registradas em nome de uma pessoa e eram repassadas a terceiros.

Desde junho, alguns cuidados começaram a ser tomados e linhas foram bloqueadas. Antes disso, não havia controle também do ressarcimento para quem ultrapassou o limite de R$ 300 definido.

“Havia o fornecimento de telefones sem regramento e sem controle. Bastava pedir. Não havia regra sobre quem poderia usar”, contou ao jornal o atual gerente de logística, Omar Ferri Junior.

Os secretários Maurício Dziedricki, de Obras e Viação, Flavio Dutra, de Comunicação, e Giuliano Santos Thaddeu, também de Comunicação, estavam registrados desde 2006.

O conselheiro e dirigente do PTB Cláudio Manfroi também utilizou a telefonia desde 2010, mas já teve o uso suspenso por ser investigado por supostas irregularidades.

A presidência determinou que apenas o prefeito, o vice, a primeira-dama e integrantes do conselho de administração da Procempa podem utilizar as linhas.

Além disso, estão a disposição do Gabinete Digital da Prefeitura dois equipamentos e o chefe de gabinete José Mauro dos Santos Peixoto também segue com um telefone.

Até setembro desse ano, houve uma redução de 26,92% nos custos com esses serviços, atingindo um valor de R$ 127.730,93. No ano passado, foram gastos R$ 232,4 mil.