Alberto Menache, diretor presidente da Linx. Foto: Divulgação.

O BNDES aprovou a liberação de uma linha de crédito de R$ 102,8 milhões para a Linx, especializada em softwares para gestão empresarial. Os recursos foram liberados pelo Programa para Desenvolvimento da Indústria de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (BNDES Prosoft).

O empréstimo pagará a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) mais uma sobretaxa de 1,67% ao ano. A amortização ocorrerá em 48 parcelas mensais, que começam a incidir após 27 meses de carência. 

Os valor será liberado em três parcelas. 

A maior parcela, de R$ 98,6 milhões, será utilizada para financiar o plano de investimentos da empresa, contemplando ações em infraestrutura, treinamento e qualidade, pesquisa e desenvolvimento, marketing e vendas.

Outro crédito, de R$ 3,5 milhões, será usado na aquisição de equipamentos nacionais que se enquadrem nos critérios da Agência Especial de Financiamento Industrial - FINAME. 

A última parcela, de R$ 741 mil, será aplicada em investimentos sociais. 

A Linx atingiu uma receita operacional bruta de R$ 331,3 milhões em 2013, um aumento de 27,9% frente aos números do ano anterior.

O valor do crédito do BNDES é de aproximadamente 31% do valor faturado pela Linx no ano anterior.

A situação é parecida com a da Totvs, que recebeu um financiamento de R$ 658 milhões do BNDES Prosoft no final de 2013, ano em que faturou R$ 1,6 bilhão.

A Linx conta com mais de 1,7 mil colaboradores, distribuídos na matriz, filiais e escritórios em Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Jaboticabal, São Carlos e Montenegro, além de canais de distribuição no Brasil e no exterior. 

A carteira de atendidos traz mais de 16 mil varejistas.

Em fevereiro de 2013, a Linx abriu capital ao entrar no Novo Mercado da BM&FBovespa, segmento de mais alto padrão de Governança Corporativa, captando R$ 528 milhões.