Fabiano Hessel. Foto: divulgação.

A parceria do Tecnopuc com a chinesa Huawei, iniciada no ano passado com o anúncio de um centro de pesquisa conjunto no parque tecnológico da universidade portoalegrense, ganhou novos contornos. A multinacional e a instituição anunciaram uma nova fase de sua cooperação em pesquisa e desenvolvimento com a implantação do Smart City Innovation Center.

O centro terá como principal objetivo a pesquisa e o desenvolvimento de soluções voltadas para Cidades Inteligentes e Internet das Coisas, além de ser uma estrutura para testes e provas de conceitos que agreguem valor ao setor produtivo. As áreas de saúde e educação também estão comtempladas com projetos do centro.

Com inauguração prevista para o 1º semestre de 2016, o centro terá o papel de homologar os softwares que irão compor as soluções em desenvolvimento desde março deste ano. Segundo Fabiano Hessel, professor das Faculdades de Informática (Facin) da PUC-RS e coordenador do projeto com a Huawei, já estão em desenvolvimento tecnologias de iluminação pública inteligente, por exemplo.

"É possível saber quando uma luminária está queimada ou quando está próximo da hora de trocá-la, trazendo mais economia e segurança à população”, afirma Hessel, professor da Facin e coordenador do projeto.

Conforme explica Hessel, o foco em cidades inteligentes foi uma evolução natural do protocolo de intenções assinado pela Huawei em julho de 2014. De acordo com o professor, a universidade servirá como um laboratório para testes práticos de inovações em smart cities da Huawei.

Segundo dados da PUC-RS, o campus central da universidade possui cerca de 55 hectares de extesão, com uma circulação média de 60 mil pessoas por dia.

"Para a Huawei, é um ótimo terreno para experimentar a aplicação e resultados de soluções em smart cities. Fazer isso em perímetro urbano seria algo bem mais complicado e custoso", afirma Hessel.

Além do campus da PUC-RS, a Prefeitura de Porto Alegre, através da Procempa, também pretende testar as inovações da Huawei em seu projeto de revitalização do Quarto Distrito, antiga área industrial da cidade.

De acordo com o professor da PUC-RS, a movimentação iniciada pela universidade e a Huawei chamou a atenção de outras empresas locais, que demonstraram interesse em adicionar seus produtos e soluções ao projeto.

"São desde fabricantes de equipamentos de iluminação e saúde, até startups de aplicações para desenvolvimento urbano. Hoje já contamos com um ecossistema de colaboração com cerca de dez empresas e entidades", afirmou Hessel.

Para o docente, a iniciativa com a Huawei é algo sem precendentes no país, em que a fabricante colocou a parte comercial em segundo plano, optando por focar principalmente no estudo e desenvolvimento de produtos em uma rede de colaboração.

Em São Paulo, a companhia asiática em um centro de inovação, mas que funciona mais como um showroom da aplicação de seus produtos em diferentes segmentos, uma proposta distinta do que está em curso em Porto Alegre.

"Estamos contentes em participar dessa parceria com a PUC-RS e utilizar nossaexpertise global para colaborar com o desenvolvimento de novas soluções e tecnologias. Com a ampliação deste acordo com a PUC-RS, a Huawei reafirma seu compromisso de longo prazo com a inovação no Brasil", finaliza Tito Ocampos, Gerente de P&D da Huawei.