Jader Rossetto é um dos publicitários mais premiados do Brasil, com 28 Leões em Cannes. Foto: divulgação.

O publicitário Jader Rossetto, um dos mais premiados do Brasil, criou uma agência focada em startups, onde pretende obter uma fatia minoritária das companhias em vez de cobrar uma taxa pelo trabalho.

De acordo com o site NeoFeed, a chamada Reborn Yourself já está atuando com o modelo  equity for fee em algumas startups há cerca de dois meses. 

Entre elas, estão a healthtech Clude, a empresa de RHTech Alstra e a fintech Acordo Certo,  além de duas empresas ligadas à área de canabidiol, a FarmaUSA e a Green Care.

Segundo o publicitário, os serviços dependem do estágio da empresa, mas o trabalho vai desde fazer a marca e repensar o posicionamento até trabalhar a cultura das companhias.

A Reborn conta com cinco funcionários e Rossetto diz que atua em conjunto com as equipes de marketing da startups e que só cobra um fee para cobrir seus custos operacionais. 

“O que eu ganho mesmo é em cima do resultado da empresa e se ela for vendida. Se não, pego meu fee e pago minhas contas. É um modelo muito mais honesto, transparente e vencedor para todos os lados”, afirmou Rossetto ao NeoFeed.

Outro cliente da nova agência é a Magnetis, uma fintech que já recebeu US$ 17,4 milhões de investidores como Redpoint eventures, Vostok Emerging Finance e Monashees. Neste caso, o trabalho ainda não envolve equity: a Reborn ganha um fee e um valor pela taxa de sucesso, mas a ideia é evoluir para o novo modelo.

Com uma longa trajetória no mercado publicitário, Rossetto tem 28 Leões em Cannes, um dos mais importantes prêmios da categoria, e já trabalhou nas principais agências do país, como DM9, Fischer América e Havas.

O publicitário está por trás de campanhas como a Desbancarize, da XP, e das Tchecas, que lançou a cerveja Proibida. Ele também atuou na Clear, vendida depois para a XP, e no Nubank. 

Ainda de acordo com a publicação, ganhar uma participação de uma startup através de um serviço prestado não é exatamente uma novidade.

É o caso do grupo Globo, que, desde 2017, desenvolveu uma estratégia que é conhecida como media for equity, em que fica com fatias de startups através da venda de espaço publicitário em seus canais de TV, nas revistas e na internet. 

Funciona assim: a empresa faz um investimento na startup, que por sua vez se compromete a usar os recursos em mídia nas empresas do conglomerado da família Marinho.

A Globo Ventures, braço de investimento do grupo Globo, tem participações em diversas empresas. Entre elas, estão as fintechs Órama, Bom Pra Crédito e Stone, além da Enjoei.com, da Rappi, da Tech.fit e da Buser.