SP, SC e DF são as unidades da Federação mais competitivas para o agronegócio. Foto: Cornfield/Shutterstock.com

São Paulo, Santa Catarina e Distrito Federal são as unidades da Federação mais competitivas para o agronegócio, revelou levantamento divulgado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Paraná e Rio Grande do Sul completam as cinco primeiras colocações.

Esta é a primeira vez que a entidade apresenta um ranking estadual para medir o ambiente de negócios dos produtores rurais.

Chamado de Índice de Competitividade do Agronegócio, o indicador tem como base seis quesitos: infraestrutura, educação, saúde, ambiente macroeconômico, inovação e mercado de trabalho. 

São Paulo destacou-se por causa da infraestrutura, com rodovias em bom estado e o maior porto da América Latina, em Santos. 

“São Paulo ficou entre os primeiros lugares na maioria das áreas analisadas, mas o estado ficou muito à frente dos demais na nota de infraestrutura”, explicou o coordenador do estudo, Marcelo de Ávila. O estado também liderou o ranking de ambiente macroeconômico.

Santa Catarina conquistou o segundo lugar por causa da infraestrutura e da educação. Na infraestrutura, o estado destacou-se por causa dos quatro portos marítimos: Itajaí, Navegantes, São Francisco do Sul e Imbituba.

O estado ficou em primeiro lugar no quesito educação, que mediu a taxa de aprovação e de abandono nas escolas rurais, o analfabetismo rural e a distorção entre idade e série escolar na população rural.

Apesar de notas intermediárias no ranking de infraestrutura, de educação e de ambiente macroeconômico, o Distrito Federal conquistou o terceiro lugar por ter conseguido a liderança em inovação e saúde. 

O coordenador do estudo explicou, no entanto, que a população pequena em relação à de outras unidades da federação beneficiou o DF no quesito inovação, na hora de dividirem o valor investido em bolsas de estudo e o número de patentes pelo número de habitantes.

As categorias em que o Paraná conseguiu as melhores colocações foram infraestrutura (4ª), ambiente macroeconômico (3ª), educação (3ª) e saúde (3ª). 

Já o Rio Grande do Sul foi melhor nos quesitos saúde, em que ficou com o 2º lugar, inovação, em que também ficou em 2º, mercado de trabalho, com o 3º lugar e ambiente macroeconômico, em que ficou em 4º.

Segundo Ávila, o estudo levou em conta apenas dados oficiais de 2011, último ano em que os indicadores para as seis áreas pesquisadas estavam disponíveis. 

A CNA pretende atualizar o índice de competitividade do agronegócio a cada ano. 

 

Confira o ranking completo:

 

1 - São Paulo

2 - Santa Catarina

3 - Distrito Federal

4 - Paraná

5 - Rio Grande do Sul

6 - Minas Gerais

7 - Espírito Santo

8 - Goiás

9 - Rio de Janeiro

10 - Mato Grosso

11 - Mato Grosso do Sul

12 - Roraima

13 - Rondônia

14 - Tocantins

15 - Ceará

16 - Bahia

17 - Rio Grande do Norte

18 - Paraíba

19 - Pernambuco

20 - Acre

21 - Amazonas

22 - Piauí

23 - Pará

24 - Manaus

25 - Alagoas

26 - Sergipe

27 - Amapá