CAD

SolidWorks agora na nuvem

04/02/2016 16:24

Abertura do SolidWorks World.

Tamanho da fonte: -A+A

A SolidWorks começa em maio os testes em beta privado do XDesign, um software de CAD criado para rodar na nuvem. 

Anunciado durante o SolidWorks World, evento mundial da companhia encerrado em Dallas nesta quarta-feira, 03, o novo produto pode ser um marco na história da multinacional.

Fundada em 1995 e adquirida pela gigante Dassault Systemes dois anos depois, a SolidWorks foi pioneira em criar um sistema de CAD para Windows e é hoje uma líder de mercado.

O software, no entanto, foi pensado em um mundo sem uso massivo de Internet e computação em nuvem, o que dificulta o acesso em múltiplas plataformas e o organização do trabalho de maneira colaborativa em equipes dispersas.

Pode ter ajudado na decisão o fato que Jon Hirschtick, o fundador da SolidWorks, já colocou em beta público no ano passado o OnShape, um software de CAD na nuvem que já levantou US$ 64 milhões junto a fundos de investimento.

Além do XDesign, a SolidWorks anunciou também que o seu software tradicional poderá ter as suas licenças vendidas em modelo de aluguel, com custo mensal e que as versões de trial do produto poderão ser acessadas online via browser.

As movimentações, que na prática equivalem a adotar o modelo de negócios de software na nuvem mesmo mantendo a lógica de licenciamento, já foram adotadas por concorrentes como Siemens PLM e Autodesk.

A SolidWorks frisa que não pretende acabar com a possibilidade dos clientes adquirirem licenças perpétuas do seu software, ao contrário da Autodesk, que tomou essa decisão no ano passado.

“Nós não vamos fazer escolhas pelos nossos clientes. Vamos manter o desenvolvimento dos dois produtos em paralelo, assim como diferentes opções de compra”, afirma Suchit Jain, vice presidente de estratégia da SolidWorks.

O movimento da SolidWorks rumo à nuvem anunciado no SolidWorks World 2016 (que inclui ainda o XDrive, um serviço de storage cloud adaptado para as necessidades de arquivos de engenharia) não é uma decisão repentina.

Na verdade, o processo começou há quase 10 anos, quando a empresa ensaiou o lançamento de algumas funcionalidades colaborativas na nuvem operando em paralelo com seu software de CAD tradicional.

Mais ou menos nessa época, o então CEO da SolidWorks, Jeff Ray, deu uma entrevista desastrada prevendo que, eventualmente, o produto teria quer ser descontinuado e substituído por uma nova versão baseada no V6, o kernel do Catia, software de CAD para grandes empresas da Dassault (o kernel do SolidWorks é o Parasolid, licenciado da Siemens).

Desde então, os concorrentes, principalmente a Siemens PLM na sua linha SolidEdge, vem fazendo muito barulho e se posicionando como uma alternativa para a SolidWorks. 

A Dassault Systemes, por sua parte, procurou promover uma maior integração da SolidWorks dentro do seu ecossistema. Keynotes de altos executivos da Dassault Systems, incluindo o CEO, Bernard Charles, agora são regra no SolidWorks World. A companhia foi integrada mais profundamente dentro do organograma da Dassault Systemes.

Mais do que isso, a empresa começou a lançar a partir de 2014 um universo de softwares operando ao redor do tradicional SolidWorks, como o Mechanical Conceptual, focado na fase conceitual de design de produtos mecânicos, e o Industrial Conceptual, preparado para o projeto de produtos de consumo,

Ainda que  vendidos em um modelo tradicional e rodando localmente, esses softwares já incorporavam uma série de funcionalidades na nuvem para armazenagem e colaboração em projetos. Eles também são baseados no V6, o que tirou a força dos rumores sobre os planos de “matar” o SolidWorks.

Novos produtos, com cada vez mais ênfase em colaboração, são fundamentais para o futuro da SolidWorks. 

Duas décadas depois da invenção dos softwares de CAD, muitos analistas já opinam que esses produtos são commodities, nas quais é impossível introduzir inovações significativas, apenas melhorias incrementais cada vez menores.

Ao mesmo tempo, mesmo as máquinas mais simples tem cada vez mais eletrônica e software embarcados, criando o que se chama de mecatrônica. A criação de um novo produto envolve por tanto engenheiros de diversas disciplinas, trabalhando de maneira integrada, e, cada vez mais, dispersa.

Com 5 milhões de usuários em todo mundo e um faturamento de US$ 1 bilhão em vendas de novas licenças no ano passado, a SolidWorks quer aproveitar o seu status de líder em software de design para ocupar uma posição central nesse novo universo.

Gian Paolo Bassi, um profissional com histórico na área de pesquisa e desenvolvimento de CAD que assumiu há um ano a cadeira de CEO da SolidWorks, em um movimento que indica uma vontade da companhia de sair da zona de conforto, deu algumas pistas do que isso pode significar.

Durante o seu keynote de abertura no SolidWorks World, Bassi falou em um conceito de “plataforma de inovação”. Citando o exemplo de companhias como Uber e Airbnb (o que é mato em conferências de tecnologia, mas não tanto na área da SolidWorks), Bassi disse que a meta da SolidWorks é ser um “ponto de encontro entre profissionais e empregadores”.

É uma visão de futuro instigante para uma empresa como a SolidWorks. Agora é ver como ela será entregue, lançamento a lançamento.

Maurício Renner viajou a Dallas para o SolidWorks World a convite da SolidWorks.

Veja também

SOLID EDGE
Siemens PLM: cautela na nuvem

Siemens PLM dá passos rumo ao modelo cloud computing, mas devagar.

CAD
SolidWorks reforça time no Sul

Empresa de CAD trouxe dois executivos experientes para focar na região.

EXCLUSIVO
PTC contrata Carlos Beato

Beato seguirá residindo nos Estados Unidos e responderá diretamente para a matriz da PTC.

MANUFATURA
SKA cresce 30% e fatura R$ 41,6 mi

O ano passado foi especialmente bom em vendas dos softwares da SolidWorks.

COISAS
Dassault Systèmes: calma com a IoT

Para executivos da multinacional, a Internet das Coisas não é nada de tão novo.