Governador Raimundo Colombo lançou a Rede de Inovação. Foto: divulgação.

O governo de Santa Catarina lançou na terça-feira, 02, o projeto Rede Catarinense de Inovação, que terá investimento de R$ 40 milhões para construção de centros em 10 cidades pólo do estado para abrigar incubadoras de tecnologia, laboratórios de pesquisa, estruturas para treinamentos e educação profissionalizante.

A lista de municípios inclui Florianópolis, Joinville, Blumenau, Criciúma, Chapecó, Itajaí, Jaraguá do Sul, Joaçaba, São Bento do Sul e Lages – neste último, o centro de pesquisa já está em construção.

Conforme Maria Augusta Orofino, coordenadora do Inova@SC, programa da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável, que comanda o projeto, o modelo vinha sendo desenvolvido há dois anos, desde a primeira missão oficial do governo do estado àEuropa.

“A rede é baseada em uma iniciativa desenvolvida em Barcelona, que integra empresas, universidades e a administração pública em um esforço conjunto para desenvolver novas formas de produção e novos produtos”, explica ela.

O governador catarinense Raimundo Colombo explica que os centros de pesquisa serão prédios de 4,5 mil metros quadrados nas cidades maiores e de 2,5 mil metros quadrados nas menores.

Os terrenos serão doados pelas prefeituras e a Fapesc fará investimentos na área de pesquisa, especialmente na área de incubação de empresas.

Todos os centros serão construídos dentro de parques tecnológicos dos municípios.

A previsão de início das obras é para maio e, segundo Colombo, as licitações estão abertas e devem estar concluídas até o final de abril.

Para entrega das estruturas iniciais dos centros, a previsão é de um ano, e para a conclusão, 18 meses.

Durante o período de construção dos centros de inovação serão selecionados os projetos que irão ocupar os centros, o que abrange startups, laboratórios, estruturas de análises de alimentos e outros.

Além das dez cidades já citadas, Tubarão e Concórdia também fazem parte do projeto, mas entram em um segundo momento, a primeira, porque não definiu o terreno a ser doado, e, a segunda, por ainda não dispor de um polo de tecnologia consolidado.

MAIS FORÇA
A nova iniciativa do governo catarinense se soma a outros projetos já iniciados no sentido de fortalecer os polos de inovação do estado.

Em dezembro de 2012, por exemplo, Colombo anunciou o reforço do Polo Logístico de Saúde, instalado em Itajaí, que já conta com 17 empresas e tem previsão de faturamento na casa dos R$ 3 bilhões para 2013, com uma parceria firmada junto às multinacionais do ramo farmacêutico e de aditivos Sanofi, Teva, Lubrizol, Heraeus Kulzer e SanCor.

O acordo governo/empresas prevê uma aliança com a Fapesc para pesquisa e desenvolvimento de novos produtos farmacêuticos.

Outro projeto em andamento é a chamada Rota da Inovação de Florianópolis, sequência de parques tecnológicos na SC 401 que já reúne, com apoio do governo, entidades e iniciativa privada, empreendimentos como Tec Park, Tecnopower, Square Corporate, Corporate Park e Sapiens Parque, todos em construção, e o ParqTec Alfa, já em funcionamento.