Amazon se aprontando para a venda de livros físicos. Foto: divulgação.

A Amazon está se preparando para expandir a atuação de seu e-commerce no Brasil. A gigante norte-americana, que chegou ao país em 2012, firmou uma parceria com a Luft, empresa de logística, para o armazenamento e distribuição de livros físicos.

Embora a Amazon e a Luft não tenham dado informações oficiais sobre o acordo, fontes ligadas à Amazon divulgaram a informação ao jornal Valor.

Antes de atender a Amazon, a Luft cuidava da logística de e-commerce do Carrefour, que foi descontinuado em 2012. No entanto, a estrutura usada foi preservada e deve ser reformada para atender a demanda da multinacional.

O centro de distribuição deve ser o mesmo que abrigava os produtos do Carrefour na região de Itapevi, em São Paulo.

A abrangência da Luft é grande e atende a todo o território nacional, um fator importante para a Amazon. A companhia tem escritórios em São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Goiânia, Porto Alegre, Rio e Espírito Santo.

Com uma forte reputação nos segmentos de distribuição de produtos farmacêuticos e agrícolas, a Luft registra anualmente um faturamento da ordem de R$ 900 milhões.

Quanto à parte do estoque, a Amazon já fechou parcerias com as principais editoras do país, e algumas delas já enviaram seus primeiros lotes esta semana. Segundo as fontes, o plano da Amazon é iniciar as vendas até junho.

Como a empresa já faz em sua operação em outros países, o foco da Amazon é oferecer um acervo diversificado, incluindo livros importados, best sellers e outros mais específicos.

Na parte de preços, a varejista deve começar com preços semelhantes ao de outros e-commerces, já que as editoras estão vendendo seus livros para a Amazon pelo mesmo preço do praticado em outras lojas.

Assim como em mercados europeus, no Brasil a empresa enfrenta resistência das editoras para a redução nos preços dos livros. Até mesmo nos e-books, o percentual de abatimento ficou na casa de 30%, enquanto que nos Estados Unidos, por exemplo, os descontos chegam a 70%.

Após as vendas de livros, o mercado acredita que o próximo passo da Amazon será a comercialização de CD, DVD e games, seguindo a proposta de venda de produtos tecnológicos iniciada com a loja de apps para Android no ano passado.