O parque foi inaugurado há 14 anos. Foto: Divulgação.

O Porto Mídia, Centro de Economia Criativa do Porto Digital de Recife, adquiriu um scanner e uma impressora 3D da Stratasys com um investimento de R$ 164 mil.

A verba é proveniente do Laboratório Avançado de Design, em um convênio com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e com a Secretaria de Tecnologia de Pernambuco (Sectec-PE).

Do modelo uPrint SE Plus, a impressora pode ser usada em projetos de pesquisa nas áreas de cinema, vídeo, animação, design, games, fotografia, música e multimídia. 

Com isso, a instituição deseja incentivar o protótipo de projetos crossmídia, que utilizem diversas mídias e plataformas, e transmídia, que sejam distribuídos em diferentes mídias e linguagens.

"Os scanners e impressoras 3D são parte de um novo padrão de produção, no qual o trabalho manual não é mais necessário. Como o Portomídia é uma referência, no Brasil, no uso de tecnologia na Economia Criativa, as inovações em protótipo 3D não poderiam faltar em nossos laboratórios”, explica Francisco Saboya, presidente do Porto Digital.

Os interessados em usar os equipamentos deverão enviar para avaliação uma descrição dos objetivos da sua ideia. 

O Porto Digital, parque tecnológico de Recife, investiu R$ 24 milhões na constituição do Portomídia, projeto dedicado à chamada economia criativa.

O parque, inaugurado em 2000, conta com 200 empresas que faturam em média R$ 1 bilhão ao ano e empregam aproximadamente 6.500 pessoas. 

As companhias participantes atuam nas áreas de TIC e economia criativa.

No Brasil, a Stratasys está presente desde 2012 dado a fusão com a Object. Uma das maiores revendas no país é a gaúcha SKA, em São Leopoldo.

Em 2012, último ano com resultados divulgados, a Stratasys fechou com um prejuízo de US$ 21,6 milhões, queda de 30% em relação ao mesmo período de 2011.  

A receita aumentou em 30% para US$ 359 milhões. As projeções para o ano fiscal 2013 apontam faturamento entre US$ 470 milhões e US$ 490 milhões.